domingo, 30 de outubro de 2011

Não Desistas, por Portugal !!!


APOIO AO PESSOAL TRABALHADOR NOS CONSULADOS PORTUGUESES NA Suíça: Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, Portugal, IBAN PT50 0035 0259 00010754 230 19, BIC CGDIPTPL, NIB 0035 0259 00010754 230 19, (Referência: Apoio aos grevistas/STCDE) ou enviar um cheque ou dinheiro para o STCDE, sempre com a indicação “apoio aos grevistas”. http://www.stcde.pt

sábado, 29 de outubro de 2011

QUEM DIRIA: O nosso Embaixador José Manuel de Carvalho Lameiras - 26-11-1946 vai estar de parabéns !!!

Falta menos de um mês para que o "José Lameiras" finalmente possa gozar o que "sempre sonhou" ! - Adorei conhecer, este  "fadista", sempre defensor por escrito "do seu pessoal" aos quais diz "nunca perdi uma causa" e por isso sei que vai, mais do que nunca, continuar a lutar para que esses possam ter uma vida mais digna na Suíça em prol de Portugal e da sua sempre querida "Amália" antes de partir.
 FADISTAS E MUITO DIGNOS EMBAIXADORES DE PORTUGAL, MANUEL E ANA BARBOSA, COM O "ZÉ" NO "10 DE JUNHO"

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Genève internationale: les salaires des employés fondent à cause des taux - Salários com base nas taxas de câmbio !

Genève internationale: les salaires des employés fondent à cause des taux de change

Conjoncture - Effritement du dollar, plongeon de l’euro, coupes budgétaires des Etats en difficulté, tous ces éléments péjorent sérieusement la situation des employés d'organisations internationales à Genève.
© Olivier Vogelsang  Ana Maria Cruz, secrétaire au Consulat du Portugal à Genève depuis 1983MARION MOUSSADEK - 26.10.2011
Moins 40%. C’est la baisse de pouvoir d'achat subie par les employés de la fonction publique portugaise à Genève et en Suisse. La faute aux coupes budgétaires drastiques opérées par le Portugal pour éponger sa dette abyssale. La faute aussi au taux de change euro - franc suisse qui a fini d’essorer la rémunération des représentations diplomatiques, toutes payées dans la monnaie d’origine du pays pour lequel elles travaillent. Résultat : tous les employés des Missions permanentes auprès de l’ONU, des consulats et des ambassades étrangères en Suisse font les frais de la fluctuation des devises. Quand ils ne paient pas, en plus, les pots cassés des budgets d’austérité de leur Etat acculé par la Troïka (Commission européenne, Fonds Monétaire international, Banque centrale européenne) à se serrer la ceinture. Et impossible de fuir la lessiveuse des devises, en vivant par exemple dans la périphérie française de Genève, car le personnel recruté par les Affaires étrangères d’un Etat a l'obligation de vivre sur territoire suisse. Témoignages de Genevois à la peine.

Mario Silva, employé à la Mission permanente du Portugal auprès des Nations Unies, 4 enfants, Meyrin «Je suis à l’agonie. Je ne sais pas comment je vais faire. J’ai 4 enfants. Voyez, c’est simple: l’imposition à la source opérée par l’Etat portugais est passée de 21 à 23%, les salaires de la fonction publique ont derechef été coupés de 10% au début de l’année (pour les salaires d’un certain palier), les cotisations pour la retraite ont augmenté de 1, 5 % et pareil pour l’assurance-maladie. Soit au total, une coupe brute d’une quinzaine de pourcents. Là-dessus, le change franc suisse-euro est catastrophique. Du coup, on en est presque à 40% de moins. Concrètement, en 2009, je gagnais 4 200 francs nets. Aujourd’hui, je viens de toucher à peine 3000 francs. Certains de mes collègues n’ont touché que 2700 francs ! Quand j’ai commencé ici il y a 20 ans, je touchais 3500 francs nets. Donc je gagnais plus il y a vingt ans en débutant qu’aujourd’hui!»
Ana Maria Cruz, secrétaire au Consulat du Portugal à Genève depuis 1983, 58 ans, Le Grand-Saconnex
«Nous venons de recevoir 97€ pour tout solde du mois de septembre. Car l’Etat a décidé de soustraire nos cinq semaines de grève en une seule fois, sans préavis. Moi, je peux encore aller piocher dans les économies – qui s’amenuisent au fur et à mesure depuis le début des coupes budgétaires en 2009 – mais j’ai des collègues de famille monoparentale qui n’ont pas un brin d’épargne devant eux. Comment vont-ils faire? On est affolés. On est assommés. Ce n’est plus une démocratie. C’est la dictature du FMI!»
Achilles Paparsenos, porte-parole de la Mission permanente de la Grèce auprès de l’ONU

«Nous avons subi une baisse d’environ 20% de notre salaire ces deux dernières années. Mais que voulez-vous, il faut absolument que la Grèce fasse des économies ! Nous devons participer à l’effort collectif. Mais c’est sûr que si vous avez un loyer haut, c’est dur dur. Toujours est-il que depuis que la Banque nationale suisse a fixé le taux plancher euro-franc suisse, on respire un peu mieux.»

Justin Dolan, adjoint au chef de l’ambassade d’Irlande à Berne

«L’équipe diplomatique irlandaise, comme les fonctionnaires sur place, ont été sujets à des variations d’honoraires à différents degrés, dépendant de l’échelle de rémunération de chacun. Par contre, les salaires des équipes helvétiques, couvertes par le code du travail suisse, n’ont pas été affectés »

Onusiens payés en dollars: les grosses pointures compensées, les retraités lésés

44% des retraités de l’ONU dans le monde sont payés en dollars. Le retraité onusien peut choisir de toucher sa retraite dans la monnaie de référence de la machine onusienne (le dollar américain), ou dans la monnaie locale du pays où il vit. Il a le droit de changer cette alternative une seule fois au cours de sa retraite. Un changement de cap qui est donc définitif. A l’Association des anciens fonctionnaires internationaux (AAFI) de Genève, on glisse sobrement: «Ces retraités payés en dollars ne sont actuellement pas à la fête.»

Du côté des actifs onusiens, les grosses pointures peuvent dormir sur leurs deux oreilles. La plupart bénéficie d’un système de compensation. Un mécanisme, appelé «post adjustment», corrige automatiquement les aléas des fluctuations des devises: «Le barème se base sur le coût de la vie locale. En l’occurrence ici, Genève. Chaque mois, le salaire en dollars s’ajuste sur cette grille de référence», explique Alessandra Vellucci, du bureau de presse de l’ONU à Genève. «Lorsque le dollar chute par rapport à d'autres monnaies, le "post adjustment" augmente pour pouvoir préserver le pouvoir d'achat des fonctionnaires», explicite la directrice du service de l’information de l’ONU à Genève, Corinne Momal-Vanian.

De son côté, l’OMS s’apprête à supprimer 300 postes à Genève. La faute à la baisse des donations des Etats membres. «La crise financière touche les pays qui eux-mêmes financent l'OMS, certains ont baissé leur contribution, et du coup, il y a un déséquilibre dans le budget», nous explique le service de communication de l’OMS.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A Dra. Andrea Burri, Portuguesa e Suíça que ganhou um prémio no "13th European Congress of Sexual Medicine" em Málaga !

Hoje tive três supresas, a visita das amigas Arminda Fonseca e sua filha Andrea Burri , aqui em Berna, assim como o convite para participar na festa de despedida para a reforma do Jürg Berger e dos 60 anos de idade do também amigo Peter, ambos do sindicato UNIA. Conheci ali também a Joana uma jovem portuguesa do sector  de recrutamento de pessoal e recursos humanos.
AQUI APENAS UM EXEMPLO DA ACTIVIDADE DA ANDREA:
DEUTSCH:

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Empresa de calçado portuguesa é lider na Europa !!!

A empresa portuguesa de calçado ICC - Lavoro tem obtido resultados muito positivos no mercado externo. Cerca de 90% da sua produção destina-se ao estrangeiro e entre os seus clientes fixos encontra-se a Mercedes, Coca-Cola, IBM e a Ryanair. A empresa consegue, desta forma, o título de líder nacional do segmento de calçado profissional.
São de Guimarães os sapatos que os profissionais da Mercedes, marca alemã, calçam há mais de dois anos. O mérito é da ICC - Lavoro, empresa criada em 1886, um dos dez maiores produtores de calçado profissional da Europa.
A empresa quer, até 2012, aumentar o seu núcleo de exportação para os 50 países. Além da Mercedes, Coca-Cola, IBM e Ryanair é também fornecedora dos bombeiros da Finlândia, tem uma quota de 20% de mercado da Suíça e, segundo conta o Económico, fechou recentemente contrato com uma empresa do setor automóvel do Reino Unido. Em Portugal a empresa fornece a Portugal Telecom e a Efacec.
A inovação é um dos pilares que garantem o sucesso da empresa, que produz calçado para indústrias pesadas e de construção, logística, eletrónica, agricultura e outras.
O mercado europeu equivale a um total de mil milhões de euros para a Lavoro. No ano passado a empresa conseguiu faturar 15 milhões de euros com a comercialização de 600 mil pares de sapatos, notícia o Económico.
Apesar da crise poder levar a um abrandamento das vendas no próximo ano, as perspetivas para os próximos seis meses são favoráveis, garantiu ao jornal José Maria Freitas, diretor geral da ICC - Lavoro.
Neste momento, a empresa está presente na feira A+A, em Dusseldorf, Alemanha, o maior certame internacional de equipamento de proteção individual, onde vai apresentar um sapato desenhado para o público feminino. http://www.aplusa.de

Made in Portugal: Portugueses já calçam a Selecção Italiana de Golfe !!!

Fundada em 1941, a empresa Centenário exporta 98% da sua produção para a China, Itália, Japão, Alemanha, Áustria e Suíça.
A selecção italiana de golfe viu a linha de sapatos da empresa portuguesa Centenário e não ficou indiferente à qualidade da pele, dos acabamentos e do design. "Nós tínhamos alguns modelos expostos com as cores italianas, outros com as portuguesas, e por aí fora. O representante da selecção italiana viu e contactou-nos para saber se era possível mudar o design e se estávamos interessados em calçar a selecção italiana de golfe. Nós dissemos que sim, e aqui está o resultado", explica António Pedro Ferreira, da Centenário.
O nome é Centenário, mas têm tentado mudar para Century, por considerarem que internacionalmente é mais fácil de pronunciar. No entanto, "os estrangeiros querem cada vez mais marcas com nomes que mostrem a origem dos países, por isso, como Centenário já é conhecido, vamos ver. E nos dias de hoje o que vem de Portugal é sinónimo de qualidade", afirma.
Esta é mais uma marca que não está presente no mercado nacional "devido à falta de garantia no escoamento da produção por ser um mercado bastante pequeno".
Fundada há 70 anos (1941), emprega 74 pessoas, algumas das quais cresceram com a segunda geração e acompanharam a entrada da terceira, que já está a trabalhar na empresa. A necessidade de encontrar novos mercados, apostar em novos públicos e investir no produto fabricado fez que esta empresa familiar se começasse a reestruturar há 30 anos. "Quando, na década de 80, pensámos em aumentar a produção, decidimos construir uma nova fábrica e estudámos o comportamento de diversos mercados. Aí percebemos que Portugal não era uma aposta vencedora, por ser pequeno e pouco expressivo. Então, estudámos as melhores feiras para marcarmos presença, a cada ano fomos alargando a quota de exportação em detrimento da produção destinada ao mercado interno, até que, por opção, chegámos onde estamos hoje: somos 98% exportadores e 2% é para vender cá dentro", explica António Pedro Ferreira, da Centenário, um dos elementos da terceira geração da família fundadora.
A empresa está em franco crescimento, devido às restruturações realizadas nos anos 80, e cujos frutos começam agora a sentir-se. Esforço contínuo na procura "de novos mercados, consolidação de novos clientes, apresentação de novos produtos, inovação permanente, design e rápida resposta às solicitações dos clientes, aliados a uma forte campanha internacional de arrojado e inovador marketing levado a cabo pela APICCAPS (Associação Portuguesa Indústria Calçado Componente, Artigos de Pele e seus Sucedâneos)", são o segredo do sucesso desta indústria.
Apesar de estar vocacionada para o fabrico de calçado de homem, a Centenário tem uma linha secundária de mulher, mais descontraída (mocassins e sandálias práticas) que vende só no mercado nacional em algumas lojas seleccionadas.
Outro dos segredos do sucesso da Centenário está directamente ligado aos materiais utilizados, garantindo uma qualidade superior do calçado fabricado, criando fidelidade por parte quer do consumidor quer do comprador (retalhistas/donos de lojas). A matéria-prima vem de Itália, país com grande tradição no cultivo e produção de pelarias de alta qualidade. "A pesquisa constante e criteriosa de materiais nobres, rigorosamente seleccionados junto das melhores fábricas europeias de curtumes, acompanhada de processos muito cuidados de montagem e acabamento, respeitando escrupulosamente as regras de qualidade, o design, a implementação e o desenvolvimento da nossa nova linha de montagem no sistema de construção goodyear, permite-nos obter um produto final distinto e de alta qualidade, facilitando a entrada nos mercados internacionais ao mais alto nível", salienta. In: http://www.dn.pt/especiais/interior.aspx?content_id=2069247&especial=Made in Portugal - M%EAs da Moda&seccao=ECONOMIA

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Produtos Portugueses !

Vitória do povo que não se deixa vergar e humilhar !!! - João Cunha e Silva diz que a união em torno de Jardim é notável e histórica !

«Esta é uma vitória do povo madeirense que acredita e tem orgulho em ter nascido nesta terra». Foi com esta declaração que João Cunha e Silva reagiu aos resultados eleitorais que garantiram a 45.ª vitória do PSD-Madeira.
Tal como referiu, «há pessoas que não se deixam humilhar, não se deixam vergar, não gostam de ser enxovalhadas e essas correram às urnas para nos dar o apoio e fazer vencer a Madeira».

O presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Regional do PSD-M disse que agora é hora de governar para todos os madeirenses. «Agora, vamos governar para todos, para os que votaram em nós e para os que não votaram em nós», garantiu, acrescentando que a sua vontade era dizer para os que não votaram no PSD-M «era bom deixar os outros partidos governarem um bocadinho para verem como seria, mas em democracia isso não é possível».

Questionado se o combate político na Assembleia Legislativa da Madeira vai ser mais intenso, João Cunha e Silva disse que não acredita nisso. «Penso que vai ser sempre igual. O acto eleitoral acabou, uns vão formar governo e outros vão ser oposição», salientou, adiantando que «que tanto os que formam governo como os que vão ser oposição devem ter por objectivo principal defender a Madeira e os madeirenses e às vezes isso não acontece».

No que concerne às negociações com o Governo da República com vista à regularização das finanças, o presidente da Mesa do Conselho Regional e vice-presidente do Governo Regional afirmou que «quem for para o Governo vai se sentar à mesa».

João Cunha e Silva fez ainda questão de referir o apoio em torno de Alberto João Jardim é uma situação histórica para o PSD.

«Ao mesmo tempo que me congratulo com esta difícil vitória, porque era tudo contra nós e não era só a oposição, esta união em torno do presidente do Governo e que transbordou neste resultado e que nos garante maioria absoluta é uma situação notável e histórica apesar dos números», declarou Cunha e Silva, que desde a primeira hora acompanhou os resultados eleitorais ao lado de Alberto João Jardim, na sede do PSD-M na Rua dos Netos.

O dirigente social-democrata recordou que em termos de eleitores «estão foram eleições mais parecidas às de 2004 e 2000», mas reconheceu que com a alteração da lei eleitoral houve mais espaço aos pequenos partidos.

Prioridade do PSD-M é ajudar as pessoas

Manuel António Correia disse que o resultado das eleições constitui uma «vitória da Autonomia política que os madeirenses souberam conquistar primeiro e agora manter».

Para o membro da Comissão Política Regional do PSD-M, «este foi um grito pela Autonomia», acrescentando que esta «foi uma vitória do povo contra tudo e contra todos».

Dadas as circunstâncias adversas e com os constrangimentos provocados pelas reacções contra a Madeira, Manuel António Correia não tem dúvidas em afirmar que esta «foi uma vitória esmagadora».

Tal como referiu «o PSD-Madeira saberá estar à altura da responsabilidade desta vitória, criando mais esperança, criando ainda mais soluções à nossa população que depois disto merece muito e cada vez mais o nosso empenho».

Manuel António Correia reconheceu que o combate político pode vir a intensificar-se agora, mas salientou que a luta do PSD-M «é no dia-a-dia resolver os problemas da população».

Mais do que o espectro político- partidário, Manuel António Correia disse que o empenho dos sociais-democratas «deve ser o de encontrar soluções para as pessoas, em particular neste momento difícil e em que as pessoas esperam mais soluções, empenho, competência e eficácia e certamente que estaremos à altura dessas responsabilidades».

«Este foi o melhor resultado de sempre»

Miguel de Sousa assegurou que perante o combate político que foi travado contra a Madeira, o resultado do PSD-M acabou por ser «o melhor resultado de sempre».

«Contra tantos adversários, desde internos do continente, como externos em todo o país e na Madeira, acho que o PSD-M e o povo da Madeira tiveram um grande resultado», declarou o vogal da Comissão Política Regional.

Para o histórico dirigente social-democrata regional «este é um resultado a favor da Madeira e que vai ser melhor para todos e para o futuro da Região Autónoma».

Tal como referiu, a vitória do PSD-M «derrota todos aqueles que, com a arrogância, sem conhecerem as situações que são verdadeiras e reais, tentaram assustar a população com ideias e polémicas que toda a gente percebe que não são verdade».

«Estamos agora numa boa situação para poder enfrentar as dificuldades que são da Madeira, de Portugal, da Europa e do Mundo com a tranquilidade de uma maioria absoluta que era necessária», declarou Miguel de Sousa.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

José Cesário visita a Suíça só após suspensão temporária da greve dos trabalhadores consulares e a caminho de Paris !!!

 
Lisboa, 06 out (Lisboa) – O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, visita na sexta-feira a Suíça, poucos dias após ter sido suspensa a greve dos trabalhadores consulares portugueses neste país, que durava há mais de um mês, informou hoje o gabinete do governante.
Na sexta-feira, o secretário de Estado visitará na Suíça os consulados-gerais de Portugal em Zurique e em Genebra, a embaixada em Berna.
José Cesário realiza esta visita depois de suspensa, na segunda-feira, a greve de cinco semanas dos funcionários consulares portugueses naquele país.

Em declarações à Lusa, o secretário-geral do Sindicato dos Funcionários Consulares e Missões Diplomáticas (STCDE), Jorge Veludo, adiantou que os trabalhadores decidiram suspender a greve “por vontade própria” e com a concordância da estrutura sindical.

A greve foi realizada pelos trabalhadores da embaixada de Portugal em Berna, da missão junto da ONU em Genebra, dos consulados naquela cidade e em Zurique, bem como dos escritórios consulares em Sion e Lugano.

A paralisação aconteceu devido à falta de acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre a situação salarial dos funcionários consulares, sobretudo devido à diferença cambial entre euro/franco suíço e também aos cortes salariais ocorridos na função pública.

Os funcionários consulares decidiram dar “dois a três meses ao Governo português para resolver o problema” e apontam como solução viável a inclusão no Orçamento Retificativo deste ano ou no Orçamento do Estado para 2012 da compensação salarial que pretendem.

Ainda noite de sexta-feira, José Cesário terá ainda um encontro com a Academia do Bacalhau, na cidade de Paris, em França.

No sábado, José Cesário participa no Encontro Nacional das Associações Portuguesas de França e tem uma reunião com Pascal Cherki, Presidente da Câmara do 14º bairro de Paris.

O secretário de Estado manterá ainda um encontro com os autarcas luso-descendentes eleitos em França e participa nas comemorações do Dia da I República, organizado pela associação Cap Magellan, sendo recebido por Bertrand Delanoë, Presidente da Câmara de Paris.
Secretário de Estado admite encerramento de postos consulares
Lisboa, 06 out (Lusa) – O secretário de Estado das Comunidades admitiu hoje que possam ser encerrados alguns consulados na reforma que o Governo está a preparar na rede consular, embora diga não saber ainda precisar as alterações que vão ocorrer.
“Pode haver postos que vão ter que encerrar”, afirmou José Cesário, à saída de uma audição na Comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades.

Perante os deputados, o governante disse que está a “analisar a rede consular”, que “pode haver alterações”, falou em “mexidas”, mas evitou admitir o encerramento de delegações diplomáticas portuguesas no estrangeiro, como veio a fazer depois à saída, embora sem avançar pormenores.

Acerca dos contratos dos 40 professores de Português que ensinavam junto das comunidades portuguesas e que não viram os seus contratos renovados, José Cesário disse que se deve à falta de verbas.

“Não temos meios para cumprir esses contratos”, disse à saída.

A falta de verba foi igualmente apontada pelo secretário de Estado como justificação para não satisfazer as reivindicações dos funcionários dos consulados portugueses na Suíça, que estiveram um mês em greve para exigir atualizações de remunerações.

“Vou lá dizer que espero resolver o problema um dia. Neste momento não há condições [financeiras] para isso”, disse José Cesário aos deputados da comissão, quando questionado sobre o que vai fazer na deslocação que realiza sexta-feira a várias cidades daquele país.

A questão levou a uma troca de acusações entre o deputado socialista Paulo Pisco e o secretário de Estado da coligação de direita, que remeteu a responsabilidade pela situação para o anterior governo do PS.

“A situação na Suíça arrasta-se há dois anos”, afirmou, queixando-se que o seu governo “‘levou’ com uma greve dois meses depois de tomar posse”.

No início da sua intervenção, o secretário de Estado do Ministério liderado por Paulo Porta disse que atual crise está a “arrastar para fora de Portugal milhares e milhares” de pessoas, que optam por emigrar.

Entre as comunidades portuguesas no estrangeiro, cujo total estima em cinco milhões de pessoas, José Cesário disse haver situações diferenciadas, com “bolsas de pobreza que não existiam” e “situações extremas de desemprego”, de um lado, e “comunidades em situação de sucesso extremo”, do outro.

Hotel Duas Nações Residence, Lisbon, Portugal

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

STCDE: Campanha de fundos até dia 31 de Outubro, apoie !!!

STCDE: Os grevistas merecem o nosso profundo respeito e a nossa solidariedade. Aliás, embora inicialmente pessimista sobre a possibilidade de os sócios apoiarem estes seus colegas em luta, a comissão executiva veio recebendo cada vez mais mensagens de sócios com vontade de o fazer. Daí que tenha decidido lançar uma campanha de fundos até dia 31 de Outubro, cujo montante se distribuirá posteriormente pelos grevistas segundo critérios que com eles mesmos acordaremos. Todos os trabalhadores que queiram participar poderão transferir o seu contributo para a conta na Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, Portugal, IBAN PT50 0035 0259 00010754 230 19, BIC CGDIPTPL, NIB 0035 0259 00010754 230 19, (apoio aos grevistas/STCDE) ou enviar cheque ou dinheiro para a sede, sempre com a indicação “apoio aos grevistas”. http://www.stcde.pt
''Manifestação junto do MNE em Lisboa'' - 29.09.2011