sábado, 26 de fevereiro de 2011

EMBAIXADOR DE PORTUGAL, JOSÉ LAMEIRAS, NA PROVA DE VINHOS PORTUGUESES no "Cercle de la Grande Société de Berne"

Sexa. o Embaixador de Portugal na Suíça, acompanhado do 1° Secretário de Embaixada e Encarregado da Secção Consular, João de Deus, e o Técnico especialista de serviço social e cultural, António Dias da Costa, fez questão em estar presente na prova e promoção de vinhos Portugueses organizado ontem pela "Casa Lusitania" em Berna e manifestar ali o seu apoio em prol de Portugal e dos Portugueses que apostam neste país em divulgar e vender só vinícolas nossos (código de barras 560). www.casalusitania.ch
Estavam ali a convite do organizador: O enólogo Paulo Loureano da Vinus Vidigueira, Dorina Lindemann da Quinta da Plansel em Montemoro-o-Novo, David Parício da Herdade Perdigão em Monforte, Maria Castro da Quinta de Saes e da Pelhada em Pinhanços - Seia e Pedro Sequeira da Douro Family Estates, Qta. dos Poços, Qta. do Souque, de S. João da Pesqueira.
UM JANTAR DE JAVALI ASSADO
A convite de Past-GM da GLSA, Jürg Aeschlimann, um Grande Amigo de Portugal, tive ontem ainda a honra particular de jantar no "Viveiro e Parque Familiar de Pesca"  em Worben (http://www.fischereipark.ch) um delicioso Javali assado por um especialista na matéria, Konrad Fuhrer de Courlevon. Adorei e lembrei também os nossos vinhos portugueses como uma eventual opção futura ao bom "Twanner" da região.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O Regime Europeu de Patentes discrimina a Língua portuguesa !

Português excluído com a cumplicidade do Governo
Agora que o Parlamento Europeu pôs na ordem do dia a votação das línguas a empregar no regime europeu de patentes muitos dos nossos deputados comportaram-se como mercenários de legiões estrangeiras.
O Português foi excluído com a cumplicidade do nosso governo. Ficou só a ser em inglês, francês e alemão.
Esta iniciativa desrespeita a igualdade e discrimina a capacidade de concorrência no mercado interno. Assim, os mais fortes ficam ainda mais competitivos. Facto é que o Instituto Europeu de Patentes tem seis mil funcionários… Os portugueses que paguem o serviço.
Fonte competente revela que votaram “a favor do interesse nacional, só CDS (Nuno Melo e Diogo Feio), PCP (Ilda Figueiredo e João Ferreira) e dois PSD (Carlos Coelho e Graça Carvalho).
Contra o interesse nacional, votou todo o PS e a maioria do PSD”.
Os nossos boys são bem comportados. Depois os países fortes dão-lhes alguns tachos que os compensam do que roubam a Portugal. Depois queixam-se que Portugal vai mal. A democracia diminui em benefício da partidocracia.
Esperemos que os espanhóis levem a coisa a tribunal! - António da Cunha Duarte Justo - http://www.blog.comunidades.net/justo

Junto o meu protesto à do Prof. António Justo, autor do texto acima e que subscrevo inteiramente.
Não me admira o a cumplicidade do desgoverno português e do voto favorável de todos os deputados europeus do PS. Mas espanta-me que só 2 deputados do PSD, Carlos Coelho e Graça Dias - honra lhes seja! -, tenham votado a favor do interesse nacional e contra a exclusão do português.
A menos que os restantes tenham uma razão atendível, do que duvido, sinto-me no direito de exigir explicações.
Nesta expectativa - Jorge da Paz Rodrigues

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Remessas dos emigrantes subiram 122 ME em 2010 - O maior aumento foi dos portugueses na Suíça sendo que os nossos funcionários consulares continuam na MISÉRIA !!!

Lisboa, 21 fev (Lusa) - Os portugueses radicados no estrangeiro enviaram no ano passado mais 122,03 milhões de euros para Portugal do que em 2009, com o valor a superar os 2.403 milhões de euros, segundo dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal.
Depois de uma queda das remessas em 2009, o montante enviado para Portugal pelos emigrantes recuperou em 2010, mas ainda assim fica aquém dos valores de antes da crise.
O maior aumento de remessas foi dos emigrantes portugueses na Suíça, totalizando 590,66 milhões de euros, mais 59,78 milhões de euros (12,26 por cento) do que no ano anterior.
França continua a ser o país de onde é enviado mais dinheiro por emigrantes e que em 2010 subiu um pouco (11,71 milhões de euros), atingindo os 899,16 milhões de euros, depois de uma queda de quase 95 milhões de euros em 2009.
Os portugueses radicados na Alemanha e no Reino Unido enviaram para Portugal 120,4 milhões de euros e 94,6 milhões de euros, respetivamente, montantes praticamente idênticos aos de 2009.
As remessas provenientes do Luxemburgo aumentaram cerca de 2,2 milhões de euros, atingindo os 84,47 milhões de euros.
Espanha foi, entre os países da União Europeia com dados individualizados, de onde foram enviadas menos remessas de emigrantes, comparando com o ano anterior – 111,03 milhões de euros, menos 11,71 milhões do que em 2009.
Do outro lado do atlântico, os emigrantes portugueses enviaram mais dinheiro para Portugal sobretudo do Canadá – 46,25 milhões de euros, contra 41,87 milhões em 2009 -, mas também dos Estados Unidos e do Brasil, a atingir os 129,98 milhões de euros e 10,59 milhões de euros, respetivamente.
Já da Venezuela, as remessas caíram para 15,78 milhões de euros em 2010, contra 19,42 milhões de euros no ano anterior.
Dos países não contabilizados individualmente, tratados em grupo como "do Resto do Mundo", o fluxo de remessas dos emigrantes manteve a tendência de aumento que se vem verificando e atingiu os 197,72 milhões de euros, mais 41,76 milhões de euros em 2009.
O envio de dinheiro de imigrantes em Portugal para os seus países de origem também aumentou em 2010 para 567,34 milhões de euros, recuperando uma tendência interrompida em 2009, quando tinha caído para 559,2 milhões de euros. ANP. 21.02.2011
AR: PSD tenta limitar vencimento de gestores públicos
O PSD vai apresentar no início de março um projeto de resolução na Assembleia da República para, «sem demagogia», acabar com os «vencimentos pornográficos» dos gestores públicos, informou à agência Lusa o secretário-geral do partido.
«Vamos apresentar um projeto de resolução, sem demagogia, em relação aos vencimentos dos gestores públicos», afirmou Miguel Relvas, acrescentando que a proposta do PSD inclui a «avaliação do serviço público, contratos de gestão por objetivos e a avaliação de resultados efetivos».
De acordo com o dirigente social-democrata, é também objetivo desta proposta «reforçar os mecanismos de transparência da gestão das empresas públicas nos termos sugeridos pela CMVM [Comissão do Mercado de Valores Mobiliários] para as empresas que estão cotadas» em bolsa. Diário Digital / Lusa - 21 de Fevereiro de 2011

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Funcionários consulares entregarão carta a MNE da Suíça e ameaçam com greve em Março

 
Lisboa, 18 fev (Lusa) -- Funcionários da embaixada e consulados de Portugal na Suíça entregarão em março uma carta no Ministério dos Negócios Estrangeiros suíço e ameaçam fazer greve devido à sua precária situação financeira, disse hoje um funcionário consular na Suíça.
"Já foi entregue um abaixo-assinado informando várias autoridades portuguesas que vamos entregar, em março, uma carta à ministra dos Negócios Estrangeiros da Suíça, Micheline Calmy-Rey, explicando a situação de precariedade em que vivem os funcionários consulares portugueses naquele país", disse à Lusa Marco Martins, funcionário consular na Suíça.
Segundo Martins, o abaixo-assinado foi enviado ao Presidente da República, Cavaco Silva, ao primeiro-ministro, José Sócrates, a diversos Ministérios e Secretarias de Estado, além de outras entidades.
"Esperávamos que isto não fosse necessário, pois enviar uma carta a expor a um país estrangeiro que Portugal não está a cumprir com os acordos, deixa a imagem de Portugal um pouco denegrida", sublinhou o trabalhador consular.
Martins indicou ainda que Portugal não está a cumprir um acordo firmado com o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Suíça de garantir a sustentabilidade dos seus funcionários consulares.
O abaixo assinado, que abrange funcionários da embaixada em Berna, consulados de Genebra, Zurique, escritórios em Sion e Lugano, e a representação na ONU, alerta para a precária situação financeira dos funcionários consulares naquele país devido à variação cambial e à aplicação dos cortes do Orçamento de 2011, entre outros fatores.
Segundo Martins, os salários dos funcionários consulares rondam os 3.000 mil francos suíços (2.323 mil euros) e, neste setor de atividade, os salários na Suíça são de cerca de 5.800 a 6.000 francos suíços (4.492 a 4.640 mil euros).
"É impossível viver na Suíça com os salários que nos são pagos, já que tudo é muito mais caro do que em Portugal", indicou ainda Martins.
Marco Martins indicou que depois da ameaça dos funcionários consulares na Suíça de boicotarem as eleições presidenciais, acreditou que as conversações poderiam resultar, entretanto, "nada foi resolvido".
"O secretário de Estado das Comunidades veio dizer (numa audiência na Comissão dos Negócios Estrangeiros do Parlamento, na sexta-feira) que foi criado um grupo de trabalho para analisar a questão laboral dos funcionários consulares, mas isso não vai resolver os nossos problemas", referiu Martins.
"Esperávamos não ser necessário entrar numa greve, porque, de facto, é a última alternativa que nos resta", sublinhou o trabalhador consular.
Segundo Alexandre Vieira, do Sindicato dos Trabalhadores Consulares e das Missões Diplomáticas (STCDE), o sindicato irá apoiar as ações dos trabalhadores da Suíça, inclusivamente na possível greve em março. http://www.stcde.pt
Contactada, fonte do gabinete do secretário de Estado das Comunidades, António Braga, disse à Lusa que não faz comentários sobre este assunto. CSR. - Lusa/Fim
 
AR chumba tectos às remunerações dos gestores públicos
O Parlamento chumbou hoje projetos de BE, PCP e CDS que limitavam as remunerações dos gestores públicos mas aprovou um diploma do CDS-PP que consagra a obrigação de envio ao Parlamento de um relatório com a remuneração daqueles profissionais.
Foram chumbados, através dos votos contra de PS e PSD, os projetos-lei do BE para limitar as remunerações dos gestores públicos e dos dirigentes e pessoal dos institutos públicos.
Também através dos votos contra de PS e PSD foi rejeitado o projeto de lei do CDS para alterar o estatuto do gestor público, limitando a sua remuneração, assim como a iniciativa legislativa do PCP, que alargava a limitação aos órgãos diretivos de institutos públicos, autoridades reguladoras independentes, empresas regionais, municipais, intermunicipais e metropolitanas. Diário Digital / Lusa - sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011 - 13:44
 

A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM E OS TRABALHADORES CONSULARES

Na foto: O SECP António Braga
 Artigo 23.º
1.Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.

2. Toda pessoa, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.

3. Toda pessoa que trabalhe tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.

4. Toda pessoa tem direito a organizar sindicatos e neles ingressar para proteção de seus interesses.
 (http://www.stcde.pt)
Déclaration de garantie pour un membre du personnel de service 
1. La mission diplomatique/le poste consulaire garantit le paiement des frais médicaux et d'hospitalisation ainsi que les frais de rapatriement de son employé.

2. Si la personne précitée est ressortissante d'un Etat membre de l'Union européenne (UE) ou de l'Association européenne de libre-échange (AELE) et est au service d'une mission diplomatique / un poste consulaire d'un Etat membre de l'UE ou de l'AELE, la mission diplomatique / le poste consulaire garantit uniquement les frais de rapatriement.

3. La mission diplomatique/le poste consulaire répondra des frais susmentionnés aussi longtemps que la garantie ne sera pas assumée par une autre mission diplomatique/poste consulaire ou qu'elle(il) n'aura pas été libéré(e) de cette obligation par l'autorité cantonale compétente.

4. L'employeur s'engage à traiter son employé/e aux conditions de rémunération et de travail en usage dans la localité et la profession concernée. 
UM "GRUPO DE TRABALHO" PARA QUÊ, SENHOR SECP ???
Secção do PPD/PSD da Suíça

Assembleia da República: Situação laboral dos trabalhadores consulares foi hoje debatida na Comissão de Negócios Estrangeiros

Lisboa, 15 fev (Lusa) – A situação laboral dos trabalhadores consulares foi hoje debatida, à porta fechada, na Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas numa reunião em que esteve presente o secretário de Estado das Comunidades, António Braga.
O debate foi realizado na sequência de um requerimento do grupo parlamentar do Partido Comunista Português (PCP) para que o secretário de Estado esclarecesse os deputados sobre a questão.
No final, António Braga, invocando o facto da audição ter sido realizada à porta fechada, escusou-se a dar detalhes sobre a reunião.
Todavia, o deputado João Ramos, um dos subscritores do requerimento, disse à imprensa que a Secretaria de Estado das Comunidades criou um grupo de trabalho para resolver a situação laboral daqueles trabalhadores.
“O secretário de Estado desvalorizou e acusou o grupo parlamentar do PCP de algum alarmismo, mas não deixou de reconhecer que tem um grupo de trabalho a trabalhar no assunto, com alguma pressa e com alguma insistência para resolver o problema e que parte do problema seria resolvido com a reestruturação do estatuto da carreira do pessoal diplomático”, disse o deputado.
Para João Ramos, o governante “acabou por, não querendo, reconhecer que esse problema efetivamente existia”.
Por outro lado, o deputado comunista salientou o facto de chegarem “apelos insistentemente” a todos os grupos parlamentares da Assembleia da República, relacionados com, frisou, “os efeitos que o agravamento das taxas cambiais produzem no vencimento dos trabalhadores, nomeadamente trabalhadores consulares e embaixadas e professores do ensino de português no estrangeiro”. EL. Lusa 15/02/2011 20:59
VER NESTE BLOG TAMBÉM O DIA 19.01.2011: Deputado José Cesário do PSD questiona Governo sobre atualização dos vencimentos de professores e funcionários diplomáticos.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Sociólogo acordou demasiado tarde - António Barreto: "Fomos enganados durante 6 anos"

Sociólogo diz que Sócrates, o PS e o Governo perderam o crédito
Correio da Manhã - É capaz de se pôr no papel de José Sócrates?
António Barreto - Posso tentar-me pôr ficticiamente no cargo dele, no papel dele não.
- O que acha que Sócrates vai fazer nos próximos tempos?
- O que ele vai fazer é resistir, resistir, resistir o mais tempo possível - e vai esperar por um momento adequado, primeiro para fazer uma remodelação e segundo para se submeter a eleições quando for mais conveniente. Na reunião do PS com os independentes a designação genérica é sintomática: ‘Defender Portugal. Vai dizer aos socialistas e ao mundo que Portugal está a ser atacado, que temos inimigos, que são os financeiros, a banca, a União Europeia, a senhora Merkel. Este ano estamos a perder a mais importante fatia de soberania dos últimos anos. Isto está à beira do protectorado. A amplitude de liberdade de decisão dos portugueses é muito curta.
- Sócrates está aliado...
- Ele quer dizer que o que vai ser feito de difícil em Portugal é contra a vontade e que ele está do lado do povo. Isto é típico', e é um bocado primitivo, mas é assim.
- Como é que define os portugueses? Ao contrário dos gregos ou dos irlandeses, não contestam...
- Estou convencido de que nos próximos dez anos vamos ter movimentações fortes, duras, não sei se convulsões sociais ou agitação social.
- Mas não tem acontecido isso e o português tem sido fustigado com medidas muito duras...

- Não há muito tempo. Começou a doer há três, quatro anos. Espere mais um bocadinho... Sabe que os portugueses viveram trinta anos absolutamente extraordinários e isso não provoca nem convulsões nem protestos...
- Sim, mas com uma grande diferença em relação aos europeus...
- Temos três ou quatro anos de uma situação difícil, que começou a doer, que começou a fazer mal, vamos ver o que vem a seguir.
- Até agora não se passou nada...
- Os desempregados portugueses andam à procura de emprego. Andam à procura de pão para os filhos, ou de tecto para dormir, de água em casa. Sobra a emigração, que recomeçou muito forte.
- O Governo actual tem capacidade para aplicar as medidas e as reformas necessárias?
- O Governo actual nem pouco mais ou menos. As pessoas não têm confiança neles, no PS ou no Governo. Foram perdendo confiança.
- O Presidente da República devia fazer alguma coisa?

- Não pode, não tem poderes para isso. Por um lado, ele não quer, foi o que nos disse até agora.
- Mas o que se pode esperar dele?
- Eu não espero nada, mas gostaria que fosse mais seco e mais duro e mais directo com o Governo e alertasse em público, que o povo fosse testemunha das relações entre o Governo e o Presidente da República. Se o veto do decreto do Governo, porque é a primeira vez que ele faz isso, quer dizer que este é o novo estilo, há qualquer coisa que vou olhar com interesse. Porque é o órgão de soberania que tem mais legitimidade em Portugal...
- A Presidência da República?
- Tem uma legitimidade fresca, porque a legitimidade também se gasta. E tem um enorme capital, que é o voto do povo. Com o povo como testemunha - insisto nisso - é através de declarações públicas, actos, idas ao Parlamento, mensagens ao Parlamento, dizendo o que se quer e o que se pretende.
- A Oposição conhece a situação em que Portugal está realmente, os números verdadeiros? Os portugueses sabem?
- Agora sabemos. Depois de seis anos de mentira, sabemos. Agora, sabe-se mesmo. Os preços a subir 10, 15, 20, 30%, os vencimentos a descer 2, 3, 5, 10, 15%. A opinião pública foi severamente enganada. Fomos enganados durante seis anos. Foi-nos anunciado que havia dinheiro para o aeroporto, para o TGV, para as obras públicas, para novos empregos, empresas, para fomentar a exportação. Até havia dinheiro para pagar os bebés...
- Era ano de eleições...

- Lamento. Eu sei isso, mas não me conformo. É pena que seja assim, a mentira é a moeda política corrente em Portugal. A unidade de conta política em Portugal é o engano e a mentira e a ocultação. Eu tenho pena disso, como tenho pena de que haja corrupção e favoritismo em permanência na vida política portuguesa.
- O que se pode fazer?
- Aflige-me que não haja uma resposta, um protesto mais organizado, que não haja um ou dois partidos políticos novos, que viriam refrescar o panorama. Os partidos que temos hoje no Parlamento não estão à altura da crise, não estão à altura sequer de poder negociar entre eles, estão demasiado crispados, demasiado envolvidos e cúmplices.
- Estamos condenados ao fracasso, como país independente?
- Portugal é um caso extraordinário de resiliência, de resistência, ao longo de séculos. Por outro lado, é verdade que agora estamos a integrar airosamente um estatuto de menoridade, de subalternidade na Europa. Há uma espécie de fiasco ou de fracasso dos últimos anos e dos próximos, porque isto não se reverte em dois anos ou três. O que se vai passar daqui a 10 ou 20 anos não faço a mínima ideia, nem ninguém sabe. Nos últimos anos, Portugal foi colocado numa grande alhada. Portugal fracassou.
PERFIL
António Barreto, sociólogo, nasceu no Porto em 1942 e é presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Estudou Direito em Coimbra até 1963, ano em que foi para a Suíça. Licenciou-se em Sociologia na Universidade de Genebra, em 1968, onde voltaria para se doutorar. Foi ministro da Agricultura de Mário Soares, entre outros cargos políticos.
Portugal faces strain in economic revolution
 
Best of socrates (2009 - 2010)

Uma opinião em Outubro de 2010 : - Se não é de Portugal, então deve ser da U. E. !

Foram tomadas medidas draconianas esta semana em Portugal pelo Governo "socialista" (só em nome) de José Sócrates, um caso de um outro governo de centro-direita/direita pedindo ao povo Português a fazer sacrifícios, um apelo repetido vezes sem fim a esta nação trabalhadora, sofredora, historicamente deslizando cada vez mais no atoleiro da miséria.
E não é porque eles são portugueses. Vá ao Luxemburgo, que lidera todos os indicadores sócio-econômicos, e você vai descobrir que doze por cento da população é português, o povo que construiu um império que se estendia por quatro continentes e que controlava o litoral desde Ceuta, na costa atlântica, tornando a costa africana até ao Cabo da Boa Esperança, a costa oriental da África, no Oceano Índico, o Mar Arábico, o Golfo da Pérsia, a costa ocidental da Índia e Sri Lanka. E foi o primeiro povo europeu a chegar ao Japão e Austrália.
Esta semana, o Primeiro Ministro José Sócrates lançou uma nova onda dos seus pacotes de austeridade, corte de salários e aumento do IVA, mais medidas cosméticas tomadas num clima de política de laboratório por acadêmicos arrogantes e altivos desprovidos de qualquer contato com o mundo real, um esteio na classe política elitista Português no PSD/PS, gangorras de má gestão política que têm assolado o país desde a Revolução de Abril de 1974.
O objectivo? Para reduzir o défice. Por quê? Porque a União Europeia assim o diz. Mas é só a UE?
Não, não é. O maravilhoso sistema em que a União Europeia deixou-se a ser sugado é aquele em que as agências de Ratings, Fitch, Moody's e Standard and Poor's, baseadas nos EUA (onde havia de ser?) virtual e fisicamente controlam as políticas fiscais, económicas e sociais dos Estados-Membros da União Europeia através da atribuição das notações de crédito.
Com amigos como estes organismos, e Bruxelas, quem precisa de inimigos?
Sejamos honestos. A União Europeia é o resultado de um pacto forjado por uma França tremente e com medo, apavorada com a Alemanha depois que suas tropas invadiram seu território três vezes em setenta anos, tomando Paris com facilidade, não só uma vez mas duas vezes, e por uma astuta Alemanha ansiosa para se reinventar após os anos de pesadelo de Hitler. França tem a agricultura, a Alemanha ficou com os mercados para sua indústria.
E Portugal? Olhe para as marcas de automóveis novos conduzidos por motoristas particulares para transportar exércitos de "assessores" (estes parecem ser imunes a cortes de gastos) e adivinhem de qual país eles vêm? Não, eles não são Peugeot e Citroen ou Renault. Eles são Mercedes e BMWs. Topo-de-gama, é claro.
Os sucessivos governos formados pelos dois principais partidos, PSD (Partido Social Democrata, direita) e PS (Socialista, de centro-direita), têm sistematicamente jogado os interesses de Portugal e dos portugueses pelo esgoto abaixo, destruindo sua agricultura (agricultores portugueses são pagos para não produzir) e sua indústria (desapareceu) e sua pesca (arrastões espanhóis em águas lusas), a troco de quê? O quê é que as contra-partidas renderam, a não ser a aniquilação total de qualquer possibilidade de criar emprego e riqueza em uma base sustentável?
Aníbal Silva, agora Presidente, mas primeiro-ministro durante uma década, entre 1985 e 1995, anos em que estavam despejando bilhões através das suas mãos a partir dos fundos estruturais e do desenvolvimento da UE, é um excelente exemplo de um dos melhores políticos de Portugal. Eleito fundamentalmente porque ele é considerado "sério" e "honesto" (em terra de cegos, quem vê é rei), como se isso fosse um motivo para eleger um líder (que só em Portugal, é) e como se a maioria dos restantes políticos (PSD/PS) fossem um bando de sanguessugas e parasitas inúteis (que são), ele é o pai do défice público em Portugal e o campeão de gastos públicos.
Sua “política de betão” foi bem concebida, mas como sempre, mal planejada, o resultado de uma inepta, descoordenada e, às vezes inexistente localização no modelo governativo do departamento do Ordenamento do Território, vergado, como habitualmente, a interesses investidos que sugam o país e seu povo. Uma grande parte dos fundos da UE foram canalizadas para a construção de pontes e auto-estradas para abrir o país a Lisboa, facilitando o transporte interno e fomentando a construção de parques industriais nas cidades do interior para atrair a grande parte da população que assentava no litoral.
O resultado, concreto, foi que as pessoas agora tinham os meios para fugirem do interior e chegar ao litoral ainda mais rápido. Os parques industriais nunca ficaram repletos e as indústrias que foram criadas, em muitos casos já fecharam.
Uma grande percentagem do dinheiro dos contribuintes da UE vaporizou em empresas e esquemas fantasmas. Foram comprados Ferraris. Foram encomendados Lamborghini. Mazerati. Foram organizadas c açadas de javalí em Espanha. Foram remodeladas casas particulares. O Governo e Aníbal Silva ficou a observar, no seu primeiro mandato, enquanto o dinheiro foi desperdiçado. No seu segundo mandato, Aníbal Silva ficou a observar os membros do seu governo a perderem o controle e a participarem. Então, ele tentou desesperadamente distanciar-se do seu próprio partido político.
E ele é um dos melhores.
Depois de Aníbal Silva veio o bem-intencionado e humanitário, António Guterres (PS), um excelente Alto Comissariado para os Refugiados e um candidato perfeito para o Secretário-Geral da ONU, mas um buraco negro em termos de (má) gestão financeira. Ele foi seguido pelo diplomata excelente, mas abominável primeiro-ministro José Barroso (PSD) (agora Presidente da Comissão da EU, “Eu vou ser primeiro-ministro, só que não sei quando”) que criou mais problemas com seu discurso do que ele resolveu, passou a batata quente para Pedro Lopes (PSD), que nunca tinha qualquer hipótese de governar (não viu a armadilha), resultando no horror de dois mandatos do José Sócrates, um Ministro do Ambiente competente mas ...
As medidas de austeridade apresentado por este…senhor...são o resultado da sua própria inépcia como primeiro-ministro no período que antecedeu a última crise mundial do capitalismo (aquela em que os líderes financeiros do mundo foram buscar três triliões de dólares de um dia para o outro para salvar uma mão cheia de banqueiros irresponsáveis, enquanto nada foi produzido para pagar pensões dignas, programas de saúde ou projetos de educação).
E, assim como seus antecessores, José Sócrates demonstra uma falta de inteligência emocional, permitindo que os seus ministros pratiquem e implementem políticas de laboratório, que obviamente serão contra-producentes. Pravda.Ru entrevistou 100 funcionários, cujos salários vão ser reduzidos. Aqui estão os resultados:
Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou trabalhar menos (94%)
Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou fazer o meu melhor para me aposentar cedo, mudar de emprego ou abandonar o país (5%)
Concordo com o sacrifício (1%)
Um por cento. Quanto ao aumento dos impostos, a reação imediata será que a economia encolhe ainda mais enquanto as pessoas começam a fazer reduções simbólicas, que multiplicado pela população de Portugal, 10 milhões, afetará a criação de postos de trabalho, implicando a obrigatoriedade do Estado a intervir e evidentemente enviará a economia para uma segunda (e no caso de Portugal, contínua) recessão. Não é preciso ser cientista de física quântica para perceber isso. O idiota e avançado mental que sonhou com esses esquemas, tem resultados num pedaço de papel, onde eles vão ficar. É verdade, as medidas são um sinal claro para as agências de ratings que o Governo de Portugal está disposto a tomar medidas fortes, mas à custa, como sempre, do povo português.
Quanto ao futuro, as pesquisas de opinião providenciam uma previsão de um retorno para o PSD, enquanto os partidos de esquerda (Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português) não conseguem convencer o eleitorado a votar em excelentes ideias e propostas concretas. No caso do PCP, é melhores salários, maior produção, a diversificação da economia e, basicamente, o respeito pelas pessoas que têm apoiado essa absurda e demente governação PSD/PS durante décadas. PCP: Um excelente produto sem um departamento de vendas capaz.
Só em Portugal, a classe elitista dos políticos PSD/PS seria capaz de punir o povo por se atrever a ser independente. Essa classe, traidora, enviou os interesses de Portugal no ralo, pediu sacrifícios ao longo de décadas, não produziu nada e continuou a massacrar o povo com mais castigos. Esses traidores estão levando cada vez mais portugueses a questionarem se deveriam ter sido assimilados há séculos, pela Espanha.
Que nojento e ao mesmo tempo, que convidativo, o ditado português Quem não está bem, que se mude”. Certo, bem longe de Portugal, como todos os que possam, estão fazendo. Bons estudantes a jorrarem pelas fronteiras fora. Que comentário lamentável para um país maravilhoso, um povo fantástico, e uma classe política abominável (do centro, à direita). Quanto à esquerda, ainda existe a divisão, e a falta de marketing. Timothy Bancroft-Hinchey - Pravda.Ru - 02.10.2010
Não concordo com tudo, mas ajuda-me a pensar - AFDC

Presidente do PSD diz que é preciso esperar pelos números


Passos Coelho critica "nova modalidade" de divulgar execução
Viseu, 19 fev (Lusa) – O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, criticou hoje a “nova modalidade de divulgar os dados da execução orçamental”, afirmando que só vai analisar essa matéria quando for “oficialmente divulgada”.
Ao intervir em Viseu na Conferência "Social@PT – Subsidiariedade e Solidariedade: Economia Social e Terceiro Sector”, Passos Coelho reagiu à manchete do Expresso, "Défice trava a fundo em janeiro".
“O Governo acha que não deve esperar tanto tempo pela publicação dos boletins oficiais, portanto confirma as notícias que avança à comunicação social. Assim ficamos todos a discutir as notícias e não aquilo que se passa”, criticou.
Por isso, referiu que só vai estudar a matéria quando souber oficialmente “quanto cresceram as receitas do Estado via impostos” e “o que é que aconteceu às despesas”.
Para já, Passos Coelho tem uma certeza: “a receita durante estes primeiros meses só pode aumentar porque aumentámos os impostos todos. Não há milagre nenhum”.
No entanto, considerou que “ela não vai continuar a subir ao longo de todo o ano”, porque “vai haver alguma recessão em Portugal” e, consequentemente, empresas a fechar.
“E se as empresas fecham e há pessoas que perdem os seus postos de trabalho, haverá menos impostos a serem pagos. Portanto, os dados de janeiro ou de fevereiro dizem pouco para o resto do ano todo”, frisou.
Já no que respeita à despesa, o presidente do PSD disse ser preciso “saber se o Estado está ou não” a controlá-la e lembrou que tal não aconteceu o ano passado, apesar de o seu partido ter chamado “a atenção várias vezes” para esse aspeto.
No seu entender, Portugal só chegou a dezembro e cumpriu a meta do défice porque o Governo foi “buscar receitas extraordinárias transferindo o fundo de pensões da PT para o Estado”.
Passos Coelho fez votos para que, este ano, a despesa caia, garantindo que não esfregará “as mãos de satisfação” se isso não acontecer.
“Se a nossa despesa não cair, isso vai ser mau para nós todos. Se cair e o Governo cumprir, é bom para todos nós. Ninguém no PSD vai ficar satisfeito se as despesas não baixarem”, assegurou.
Mas alertou que “as despesas não baixam milagrosamente”, apesar de já se saber que baixam relativamente aos salários que foram cortados.
“Depois houve algumas cativações que o ministro das Finanças fez. Enquanto ele não autorizar, não se gasta. Mas algumas cativações chegam a atingir mais de 40 por cento dos orçamentos de funcionamento do ano todo”, afirmou, questionando se isso quer dizer que haverá “serviços que durante quase meio ano vão estar fechados sem trabalhar”.
Defendeu que a solução é “uma reforma na administração pública” e “também nas empresas públicas”, acrescentando não lhe parecer que o Governo já a tenha iniciado.
“Quando mais tempo o Governo demorar a fazer isso mais cara é a fatura que vamos todos pagar e o PSD não quer que o país pague uma fatura mais cara”, reiterou. AMF
 

sábado, 19 de fevereiro de 2011

UM FUTURO LARANJA E AZUL !


SÃO ESTES OS 4 PILARES DA ECONOMIA PORTUGUESA ?

Zero Socas! É zero!!!!!

Recessão: Primeiro-ministro responde a Soares dos Santos que “não basta ser rico para ser bem educado”
 O primeiro-ministro, José Sócrates, respondeu hoje ao presidente da Jerónimo Martins que “não basta ser rico para ser bem-educado”, na sequência de o empresário ter acusado o Governo de mentir sobre a situação do país.
“Nem merece comentário e só prova que não basta ser rico para ser bem-educado”, afirmou o primeiro-ministro, escusando-se a fazer mais considerações sobre o assunto.
Alexandre Soares dos Santos acusou hoje o Governo de mentir ao negar que Portugal está em recessão económica.
"Não vale a pena continuarmos a mentir. Não vale a pena pedir sacrifícios às pessoas sem lhes dizer a verdade. As pessoas têm de saber para que estão a fazer os sacrifícios e não adianta negar que estamos em recessão, porque estamos", afirmou, durante a apresentação de resultados do grupo em 2010.
Questionado sobre o segredo do sucesso do grupo, que aumentou os lucros em mais de 40 por cento no ano passado, Alexandre Soares dos Santos respondeu: "Os truques é para o Sócrates. Ele [os políticos] é que gostam de truques. O nosso sucesso assenta em trabalho".
* para quem não entende a profundidade desta posta eu explico... olhe-se para o titalo,escolhe de video e também asterisco :P
Uma psicose de jfd às 01:14 in http://psicolaranja.blogs.sapo.pt

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

AFINAL ERA MENTIRA !!!

Passava um minuto da meia noite e meia de ontem quando o Correio da Manhã fez publicar seis linhas on line sobre a ilibação de Helena Lopes da Costa das graves acusações de que foi alvo, há dois anos, durante a campanha para as Autárquicas de Lisboa. Sob o título «Ex vereadora absolvida», a timidíssima notícia adianta «O Tribunal da Relação de Lisboa não deu provimento ao recurso do Ministério Público sobre a não pronúncia da Ex Vereadora da Câmara de Lisboa, Helena Lopes da Costa, a propósito da atribuição de casas da autarquia. O Ministério Público tinha feito uma acusação por cerca de 20 crimes mas a actual deputada não foi pronunciada e julgada». Na época, os jornais não falaram em cerca de 20 crimes mas em 22. Deram-lhes nomes e pormenores sórdidos. O título do DN denunciou o «Lisboa Gate», a SIC falou no assunto de hora a hora, tal como os outros canais de TV.
Bem sei que o CM fecha antes da meia noite e que a edição escrita de hoje não poderia incluir esta notícia. Veremos o CM de amanhã. Mas, se houvesse algum sentido de proporção e de pudor, já não digo de Justiça, o erro sobre a acusação de alguém inocente deveria ser minimamente destacado on line.
Recordo como tudo surgiu: estava em discussão se Santana Lopes deveria ser candidato a Lisboa. Lançaram-se suspeitas graves sobre a atribuição indevida de casas a próximos de Santana que chegou a ser constituído arguido durante um tempo. A campanha foi para a frente com esta «bandeira eleitoral» até que, afinal, a investigação fez surgir casas e mais casas entregues a dirigentes da esquerda virtuosa e a proto-intelectuais, como Baptista Bastos. O assunto arrefeceu, não fosse a lama da ventoínha continuar a espirrar para mais nomes da rosa.
Veio a verificar-se agora que as acusaçõas à Vereadora de Santana não passaram de uma atoarda. Curiosamente na mesma semana em que um canal de televisão faz uma peça com Helena Roseta a dizer que as rendas de casa vão passar a ser conforme os rendimentos dos inquilinos para acabar com os abusos de longa data. A peça «jornalística» não cuidou de ouvir a Oposição na CML sobre a mesma matéria, o que no meu tempo de jornalista seria um pecado mortal. Nem tão pouco se interrogou porque é que essa actualização ainda não foi feita, ao fim de quatro anos de poder PS na CML. E nem se informou do preceito, inaugurado pelo socialista Vasco Franco nos anos 90, de actualizar anualmento o levantamento das rendas. Sabemos que a fiscalização e manutenção das boas regras é menos empolgante. Mas deve ser feita porque há muito tempo que acabou o arraial das campanhas e dos amanhãs que cantam. Poder é responsabilidade. Poder é trabalho. Poder é serviço.
Mas, aparentemente, nascemos todos hoje, como as notícias do dia.
Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011 - Por Inez Dentinho

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Passos Coelho anunciou abstenção à moção de censura do BE

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje que o partido vai abster-se na moção de censura do Bloco de Esquerda ao Governo, que será discutida e votada a 10 de março.
«Transmiti ao Grupo Parlamentar a decisão da comissão política em não viabilizar esta pseudo-moção de censura e decretar a abstenção do PSD em relação a esta moção», afirmou Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas no final da reunião do grupo parlamentar do PSD, que decorreu esta tarde na Assembleia da República.
A moção de censura já tinha o 'chumbo' garantido depois do CDS-PP ter anunciado na segunda-feira à noite que vai abster-se. Diário Digital / Lusa

domingo, 13 de fevereiro de 2011

ANA MOURA HOJE EM BERNA FOI FABULOSA !

Ana Moura actuou hoje em Berna, acompanhada de três excelentes guitarristas, perante um público maioritariamente suíço, numa sala repleta, muita gente teve de ficar em pé, colocando-os até a cantarem português. Um espetáculo que durou mais de hora e meia e a assitência não queria que terminasse. Logo a seguir ficou numa mesa a autografar tudo o que desejassem. Que brilhante imagem de Portugal deixaram aqui na capital Suíça. Obrigado e voltem sempre !

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PARABÉNS AO POVO EGIPCIO PELA SUA REVOLUÇÃO DE HOJE "À PORTUGUESA"!


"O Egipto é livre" com uma Revolução Pacífica
"À Portuguesa"
Os militares assumiram o controlo do país e garantem que as reformas vão avançar. O povo espera agora pela democracia
O presidente do Egipto, Hosni Mubarak, demitiu-se hoje do cargo e entregou todos os seus poderes aos militares, pondo fim a 30 anos de um regime autocrático e curvando-se perante um levantamento popular histórico que transformou a política no Egipto e no mundo árabe. As ruas do Cairo explodiram com gritos de "Deus é grande" momentos depois de o vice-presidente e antigo chefe dos serviços secretos, Omar Suleiman, anunciar durante as orações da noite que Mubarak passara toda a autoridade para um conselho de líderes militares: "Tendo em consideração as circunstâncias difíceis que o país atravessa, o presidente Mohammed Hosni Mubarak decidiu deixar o seu cargo de presidente e entregou ao Conselho Supremo das Forças Armadas a administração dos assuntos de Estado", disse um pálido Suleiman, em tom grave, numa curta declaração transmitida pela televisão.
HINO DO PPD/PSD
PSD: Passos Coelho reúne terça-feira comissão política
A comissão política do PSD reúne-se terça-feira para discutir a situação política, seguindo-se uma reunião do líder do partido, Pedro Passos Coelho, com o grupo parlamentar, informou hoje à agência Lusa fonte oficial social-democrata.
A reunião da comissão política está marcada para as 15:00 e a do grupo parlamentar para as 16:30. Na agenda das reuniões está a análise da situação política.
Na quinta-feira, o líder do BE, Francisco Louçã, anunciou que vai apresentar uma moção de censura ao Governo que quer ver discutida a 10 de março, um dia depois de Cavaco Silva tomar posse para um segundo mandato como Presidente da República, voltando a ser possível a dissolução do Parlamento. Diário Digital / Lusa
NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COMUNIDADES PORTUGUESAS
15-02-2011 - 16:30 - Reunião da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas na Assembleia da República
http://www.psd.parlamento.pt/agenda_tipo.asp?tipo=4 
 

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

HOJE LÁ ESTIVE NO PORTUGAL - ARGENTINA EM GENEBRA NUM EXCELENTE CONVÍVIO

Nas fotografias:
Superiores à direita: Sexa. o Embaixador de Portugal na Suíça, José Lameiras, com o empresário e comendador José Júlio de Sousa e com o delegado do Montepio.  Na foto central à esquerda: João de Deus, 1.° Secretário de Embaixada e Encarregado da Secção Consular em Berna, o Comendador José Júlio de Sousa, o Cônsul-Geral de Portugal em Genebra, Carlos Oliveira, e António Dias da Costa, Técnico especialista de serviço social e cultural na Embaixada de Portugal em Berna.
A MENSAGEM PROFERIDA POR SEXA. O EMBAIXADOR DE PORTUGAL
É uma honra para mim, como Embaixador de Portugal na Suíça, estar hoje aqui no Estádio de Genebra para assistir ao desafio amigável de futebol entre as selecções nacionais de Portugal e da Argentina, dois países amigos que têm uma tradição assinalável e lugar de grande destaque no mundo do futebol.
Estou certo que estes sentimento é igualmente partilhado pelos meus compatriotas que vivem na Suíça que, justificadamente, também se orgulham da sua selecção nacional.
Independentemente do resultado final, estou convicto que este será um grande espectáculo desportivo que marcará esta noite e que unirá Portugueses, Argentinos e Suíços nos superiores valores do futebol. Que ganhe o melhor ! - José de Carvalho Lameiras

Selecção portuguesa perde pela primeira vez na "era" Paulo Bento
A selecção portuguesa de futebol perdeu a invencibilidade na "era" Paulo Bento, ao perder por 2-1 com a Argentina, em encontro particular disputado em Genebra, na Suíça.
Uma grande penalidade apontada por Lionel Messi, aos 90 minutos, após uma falta de Fábio Coentrão, selou o primeiro desaire do sucessor de Carlos Queiroz, que havia ganho os primeiros três encontros.

Os sul-americanos marcaram primeiro, pelo ex-benfiquista Angel Di Maria, a passe de Messi, aos 14 minutos, mas, aos 21 MINUTOS, o também jogador do Real Madrid Cristiano Ronaldo empatou, apontando o 26.º golo na seleção "AA", em 80 jogos. Diário Digital

domingo, 6 de fevereiro de 2011

O DinamiKorpus da nossa amiga "Maggy Pilates" aceita novas alunas e convites !

Aqui as jovens e senhoras podem p. ex. aprender esta dança:
Bachata
  
DinamiKorpus Ginásio e Escola de Dança: Este espaço foi criado em 2007 por Margarida Afonso como um centro de aprendizagem, treino, diversão e relaxamento. Para a concretização deste projecto dispõe de um conjunto de actividades que vão ao encontro de todos os gostos e aptidões, como dança, step, reague dance. A escola está sediada em Monção e expandiu-se para Melgaço, Valença, e Salseda. As Alunas têm a oportunidade de participar em vários espectáculos promovidos durante todo o ano onde apresentam o seu trabalho e inspiração artística aos seus familiares, amigos, outras colegas de dança e público em geral. Participe ou convide-as, mesmo além fronteiras !
PORTUGAL TEM SÉRIA E BOA GENTE - APOSTE !
Video Waka Waka Dinamikorpus !!!

sábado, 5 de fevereiro de 2011

MENDES BOTA ATENDE ELEITORES DIA 19

 MENDES BOTA: 4ª SESSÃO DE ATENDIMENTO DE ELEITORES

NO DIA 19 DE FEVEREIRO
Prosseguindo o seu programa de contacto com os cidadãos e cidadãs, o deputado Mendes Bota promoverá a sua 4ª sessão de atendimento público no próximo dia 19 de Fevereiro de 2011, entre as 11 horas e as 13 horas, na sede do PSD de Loulé (Rua Dr. Francisco Sá Carneiro nº 1).
Estas sessões têm-se pautado por uma assinalável afluência. Nas 3 edições anteriores, foi atendido um total de 40 pessoas, em grupo ou a título individual, e a diversidade temática tem sido assinalável: Ambiente, Cultura, Direitos Humanos, Educação, Energias Renováveis, Juventude, Licenciamento/burocracia, Obras Públicas, Ordenamento do Território, Pesca, Política Geral, Questões Laborais, Segurança, Vida Partidária e Violência Doméstica.
São queixas, pedidos de aconselhamento ou de intervenção, por vezes, apenas o partilhar de opiniões sobre questões de interesse público. Mas existe disponibilidade de diálogo entre o político e o eleitor.
Mendes Bota definiu previamente o escopo destas iniciativas: “é a oportunidade dada a quem o deseje contactar, de forma directa, para expor assuntos que se enquadrem na esfera de actividades e de competências fiscalizadoras e legislativas da Assembleia da República.
Este tipo de diálogo, permite alertar para situações de deficiente funcionamento de organismos da administração pública, não aplicação das leis da República, burocracias desnecessárias, injustiças ou discriminações cometidas pelos poderes políticos e administrativos sobre os cidadãos, empresas ou instituições, bem como denúncia de práticas corruptivas.”
Assembleia da República, 5 de Fevereiro de 2011
 

A excelente intervenção do Dr. Carlos Alberto Gonçalves, Deputado pelo Círculo Eleitoral da Europa, no Plenário da A.R.

Uma prova de que também está em solidariedade com os seus colegas de trabalho fora da zona Euro !

Ascensor de emergencias em Israel (Impressionante) !!!

Parece um seguro e excelente sistema.
Será que os nossos bombeiros pelo menos o conhecem ?
NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COMUNIDADES PORTUGUESAS
08-02-2011 - 16:30 - Reunião da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas
http://www.psd.parlamento.pt/agenda_tipo.asp?tipo=4

Quarta-Feira estive numa conferência onde membros da "Fundação Rudolf von Tavel" leram extractos das suas obras em alemão tipico de Berna

Na passada quarta-feira assiti a uma sessão pública sobre Rudolf von Tavel,  famoso jornalista, poeta e escritor suíço (21.12.1866 a 18.10.1934), na R.L. "zur Hoffnung" em Berna onde foram lidos textos dos seus excelentes escritos em alemão no dialecto de Berna (Bärndütsch) por membros da Fundação  com o seu nome http://www.rudolfvontavel.ch/fotogalerie. A "Confiserie Eichenberger" em Berna produz ainda hoje este doce tipico em homenagem ao mesmo (http://www.confiserie-eichenberger.ch):
O "Läbchueche"
O seu sobrinho, Peter von Tavel, também uma personalidade Suíça foi membro da R.L. "zur Hoffnung" em Berna.
A próxima sessão pública será no dia 16.03.2011, às 20H00, sobre "A beleza e a música" com canto e piano. Consulte:

A Joana Romaneiro - PORTUGAL - Young ballet talents - Stepping up at the 39th Prix de Lausanne ballet competition - Até Domingo !

Young ballet talents
Stepping up at the 39th Prix de Lausanne ballet competition.
The Prix de Lausanne is an international dance competition for young dancers aged 15 to 18. Unlike other competitions, it rewards potential rather than present accomplishment. This makes it the most important event of its kind. (Michele Andina, swissinfo.ch).
Joana Romaneiro Escola de Dança do Conservatorio Nacional, Lisboa
Nuvens e ondas