terça-feira, 30 de novembro de 2010

Como o tempo passa...

Fez a noite passada 6 anos que assistimos ao maior golpe político vivido desde o 25 de Abril. Foi há 6 anos que o na altura Presidente da República Jorge Sampaio, em nome do regular funcionamento das instituições portuguesas acabou com um Governo de Maioria Parlamentar, composto em coligação entre PSD e CDS.
Hoje, com a devida distância ficam lições que devemos retirar. O PSD depois de um regabofe de Guterres assumiu a governação do País com muita esperança. Era a chegada das gerações que tinham entre 40 e 50 anos ao poder. Estavam no ponto. Durão Barroso e Paulo Portas entenderam-se e criaram um Governo de qualidade. Porém, as oportunidades surgiram e aconteceu o que todos sabem. É inevitável hoje pensar que Pedro Santana Lopes deveria ter ido a eleições assim que Durão Barroso foi embora.

Mas, a bem de um bem que tantos falam (estabilidade) aguentou-se um Governo que substitui um Primeiro-Ministro. Um Governo que começou com um Presidente da República a dar recados logo na tomada de posse. Um Governo que sofreu das frustações de um comentador domingueiro, pois era demais que dois jovens por ele "criados" (Durão e Santana) chegassem onde ele sempre ambicionou e nunca chegou, bem como da brilhante gestão de carreira que o não político, mais político deste país fez, para tirar da carteira as moedas furadas. Um Governo que ficou fragilizado pela saída de um Ministro do Desporto, o úlitmo da hierarquia, (imaginar que nestes 6 anos, a moeda furada virou 3 Ministros de Estado, andou com Ministros aos corninhos e a passearem de camelos no deserto).
A isto junta-se a dose de cinzentismo e dificuldade que certos sectores da nossa sociedade têm, de aceitar pessoas diferentes. Sim, pessoas diferentes no estilo, na forma e sobretudo no conteúdo. Pessoas corajosas e com desprendimento total. Pessoas que cheguem realmente às pessoas. Pessoas que não entrem na lógica da pirâmide, em que tudo deve estar no lugar certo. Pessoas com garra e vontade de realmente fazer. Independentemente de falharem ou não. Pessoas humanas, sem viverem de tabus, de aparições mediáticas, de política de plástico. Pessoas realmente apaixonantes e apaixonadas pela missão que é estar na política.

Ninguém aqui é perfeito, mas olhando para o que foram estes 6 anos, o que dizer deste desastre de país? O que dizer desta moeda furada que nos Governa? O tempo e a história contam. Atrás de mim virá, quem de mim bom fará! Acho que está, infelizmente, na cara de todos! uma psicose de Diogo Agostinho - In: http://psicolaranja.blogs.sapo.pt
Percepções e Realidade
de Pedro Santana Lopes - Edição/reimpressão: 2006 - Páginas: 424 - Editor: Aletheia - ISBN: 9789896220556

Foi você que ainda não subscreveu?
Acredito em Portugal.
Subscreva a candidatura de Anibal Cavaco Silva à Presidência da República

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A Dra. Andrea Burri, Portuguesa e Suíça, de Berna, ganhou prémio no "13th European Congress of Sexual Medicine" em Málaga !

A jovem médica e amiga Andrea Burri, que conheço desde criança, vive hoje em Londres, mas nunca esquece os amigos quando vem visitar a sua mãe, Arminda Fonseca, aqui em Berna, acaba de ganhar mais um prémio de prestígio na sua brilhante carreira a nivél internacional, na sua àrea de  especialização, desta em Málaga - Espanha. Cá a espero no mês de Dezembro para lhe dar os parabéns pessoalmente no dia de anos da sua mãe e também meu.
UM EXEMPLO DA SUA ACTIVIDADE:
Acredito em Portugal.

Ontem estive num jantar e excelente noite de Fados em Neuchâtel

Ontem mais uma viagem com um forte nevão e temperaturas negativas até Neuchâtel mas que valeu a pena. A empresa Sousa Vins realizou uma noite de fados nas suas instalações, num jantar bem portugês, onde nem o famoso bacalhau faltou, os fadistas António Pinto de Basto, a Diamantina Rodrigues e a Tânia Oleiro, acompanhados por José Luís Nobre Costa, na guitarra portuguesa, Armando Silva, viola baixo, e à viola Francisco Oliveira, com a presença também das quatro belas jovens vencedoras do concurso "Miss Portugal" na Suíça. O Embaixador de Portugal na Suíça, José Lameiras, adorou e pensa regressar a esta cidade a 49 KM de Berna.

sábado, 27 de novembro de 2010

Inauguração da exposição sobre Portugal no Museu Rietberg em Zurique

Hoje tive a honra de assistir à "Vernissage" da exposição sobre Portugal no Museu Rietberg em Zurique que abre amanhã ao público e manter-se-á até ao dia 13.3.2011 que contou com a presença da Presidente da Cidade de Zurique, Corine Mauch, o Embaixador de Portugal na Suíça, José Lameiras, e centenas de outras personalidades de imensas áreas e actividades. Após os discursos oficiais e uma visita guiada à exposição seguiu-se um aperitivo bem à portuguesa e de excelente qualidade organizado pela empresa Sousa Vins et Comestibles SA, do nosso compatriota e comendador José Júlio de Sousa, que também trouxe até ali para actuarem os fadistas António Pinto de Basto, a Diamantina Rodrigues e a Tânia Oleiro, acompanhados por José Luís Nobre Costa, na guitarra portuguesa, Armando Silva, viola baixo, e à viola Francisco Oliveira - Sem Palavras, foram brilhantes !
Parabéns a toda a organização pela excelente qualidade do evento e pela exposição que vale a pena visitar, mesmo quando em trânsito.
Pressebilder "Elfenbeine aus Ceylon" - FOTOGRAFIAS PARA A IMPRENSA:


Acredito em Portugal.
EU TAMBÉM - ANTÓNIO DIAS DA COSTA

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Novela portuguesa ganha Emmy: E decote de Rita Pereira faz furor - My Love - WINNER TELENOVELA INTERNATIONAL EMMY 2010

Meu Amor recebe prémio para Melhor Novela, nos Emmys Internacionais deste ano. Atriz portuguesa Rita Pereira chama atenção do mundo com decote revelador.
A telenovela portuguesa Meu Amor fez esta semana história, ao vencer o prémio de Melhor Novela na cerimónia dos Emmys Internacionais.
Produzida pela Plural e exibida pela TVI, Meu Amor, protagonizada por Alexandra Lencastre, Nicolau Breyner e Paulo Pires, entre outros, é a primeira produção nacional a receber um prémio desta natureza.
"Fomos escolhidos entre 120 países, uma coisa de dimensão gigantesca. Por isso digo que chegar aos três nomeados já era uma vitória", disse ao jornal i António Barreira, autor do argumento de Meu Amor .
A novela portuguesa venceu a concorrência de produções da Argentina e das Filipinas, sagrando-se vencedora numa gala onde também os atores Helena Bonham-Carter e Bob Hoskins levaram troféus para casa.
A grande campeã de pageviews, porém, tem sido Rita Pereira. Uma das atrizes de Meu Amor compareceu à cerimónia com um vestido revelador que, de resto, se torna o assunto principal de uma entrevista na qual a portuguesa garante que deve o conteúdo do decote "à mãe e ao pai", e não ao bisturi.
Veja aqui a lista de vencedores dos Emmys internacionais:

Recorde aqui a participação de Rita Pereira no vídeo dos Flow 212, "Tá Hot":

http://blitz.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=bz.stories/68212

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ausstellung von antiken Elfenbein-Objekten

Tagesschau vom 25.11.2010 - um 19:30 Uhr: Im Zürcher Museum Rietberg sind Elfenbein-Objekte ausgestellt, die vor 500 Jahren der portugiesischen Königin Katharina von Habsburg gehörten. Elfenbeinhandel war damals nicht verboten und sogar salonfähig.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

MENDES BOTA APELA À MOBILIZAÇÃO DOS HOMENS NO COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

Mendes Bota, presidente da Comissão para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens, da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, apelou hoje “à mobilização maciça dos homens para o combate à violência contra as mulheres. Sem eles, sem a sua adesão e sensibilização para a inaceitabilidade da violência como cimento das relações entre mulheres e homens, o impacto da legislação recente e das medidas preventivas, de protecção das vítimas e de penalização dos agressores, levará demasiado tempo a produzir efeitos palpáveis.
O que significa mais mulheres assassinadas e marcadas para sempre. É urgente a entrada em campo da equipa masculina, para inverter este resultado catastrófico. Os homens não podem ser suplentes nem espectadores a ver este triste espectáculo de bancada. Este não é um desafio para ser jogado exclusivamente no feminino.
A liberdade sem violência, é o primeiro dos direitos humanos. E, no entanto, essa é uma miragem para as mulheres apanhadas pelos conflitos armados, sentenciadas à morte ou a penas cruéis na base de leis e tradições bárbaras, ou que são sujeitas a casamentos forçados, violações conjugais, violências sexuais, condenadas a uma vida inteira de desigualdade, discriminação, sevícias físicas ou psicológicas, quer na sociedade quer no seio das suas próprias famílias.
Nós, os parlamentares, temos o dever de ajudar a quebrar o silêncio à volta destas mulheres vítimas de violência e de lhes dar voz.
Saúdo os meus colegas do Conselho da Europa que, no dia 25 de Novembro de 2010, celebrando o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, estarão participando activamente em actividades promovidas pelos respectivos parlamentos, no âmbito de um Dia Pan-Europeu com o objectivo de dar visibilidade a esta luta.
Foi bom ter-se aprovado em Portugal a Lei 112/2009, de 16 de Setembro. Mas falta ainda um longo percurso para que seja agilizada a sua aplicação. Há muita morosidade na concessão do Estatuto da Vítima e na aplicação de muitas das medidas de protecção. Há regulamentação ainda em falta.
Mas preocupa-me a falta de acompanhamento dos agressores em situações de risco potencial. As dificuldades económicas advenientes da crise e do desemprego, aliadas aos activadores da droga ou do álcool, num contexto de mentalidades forjadas na desigualdade de género, estão a formar um coktail explosivo. Todas as semanas há uma mulher assassinada. Há que antecipar medidas. Há que reagir. Há que mobilizar toda a sociedade para este combate.
Tenho alguns colegas e amigos que não compreendem porque “perco” tanto tempo com a causa dos direitos das mulheres e da violência que sobre elas se abate. Que devia falar mais do défice, do betão e dos impostos.
Acontece que, todos os anos, são assassinadas dezenas de milhares de mulheres no mundo, às mãos dos maridos, companheiros, e ex-parceiros, só pelo facto de serem mulheres, já para não falar nas situações de guerra e muitas outras, onde as mulheres são o alvo preferencial.
Em número de vítimas, é como se ocorresse pelo menos um atentado equivalente ao das Twin Towers, de Nova Iorque, todos os meses. É uma guerra civil à nossa porta. E se isto não significa nada, então já não sei o que importa.” Assembleia da República, 24 de Novembro de 2010
PAULO RANGEL

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Lá estive com a minha mulher, mais uma vez, na "Festa das Cebolas" da RLM "Esperança" em Berna

Uma tradição com muitos anos, sempre na quarta segunda-feira de Novembro, na R.L.M. "Esperança" em Berna, a partir das 18 horas, que assim associa-se ao maior evento anual da capital Suíça, juntando mais de 70 amigos, para saborearem as famosas tartes de cebola e queijo,  "Hammnenteller mit Zopft" (Presunto afiambrado com päo trançado) e ainda o "Vermicelles" (doce de castanhas), tudo bem regado com brancos e tintos naturalmente, degistivos com o café. Bem, na rua estavam 4° e até as poucas fotos que fiz termidas, para ficarem discretas :)). No jogo de advinhas ganhamos uma trança de cebolas que irá, para o ano, até aos Algarves. Os proximos eventos públicos de literatura e musicais em língua alemã podem consultar aqui:

domingo, 21 de novembro de 2010

MUSEUM RIETBERG ZÜRICH: Luxury Goods from the Renaissance - ELFENBEINE AUS CEYLON. With the support of the Parrotia Foundation and the Instituto Camões, Portugal

Pressebilder "Elfenbeine aus Ceylon" - Fotos:
Um quadro inédito de D. sebastião ( perdido no castelo de Schoenberg em Viena mas não identificado como o Rei Português, 2 quadros da Lisboa pré-pombalina - Rua Nova dos Mercadores - quadros vindos de Inglaterra mas também não identificados com Lisboa, etc. ).  EINMALIGER BILDER !
Luxury Goods from the Renaissance
28 November 2010 – 13 March 2011
It is the year 1506. The Portuguese land on the legendary island of Ceylon, today’s Sri Lanka. They make treaties with the king of Kotte and secure for themselves direct access to precious stones, to spices like cinnamon, and to exotic precious woods. Portugal thus plays a key role as supplier for European collections of art and treasures – the Kunstkammern and Schatzkammern, predecessors of today’s museums.
The focus of this exhibition is the collection of Catherine of Habsburg (1507–1578), who as queen of Portugal was one of the most important rulers of her time. Enter a world of enchantment full of wafer-thin ivory fans or exquisite ivory caskets, gold and gemstones. The tiny details of these artworks are startling and mysterious: the Ceylonese carvers also used models from European engravings, such as Dürer’s "Bagpiper".
Catherine of Habsburg also imported animals such as parrots and rhinoceroses for her menageries – quasi the first zoological gardens. Find out more about the little elephant Suleiman, a gift to Catherine in 1542, and his three-year journey from Ceylon to Lisbon and Vienna. Listen to festive music or watch actresses in period costumes tell tales of Catherine’s court. With the support of the Parrotia Foundation and the Instituto Camões, Portugal
Luxusgüter der Renaissance
Werner Abegg Saal

28. November 2010 bis 13. März 2011
Wir schreiben das Jahr 1506: Die Portugiesen landen auf der sagenumwobenen Insel Ceylon, dem heutigen Sri Lanka. Sie schliessen Verträge mit dem König von Kotte und sichern sich so einen direkten Zugang zu Edelsteinen, zu Gewürzen wie Zimt und zu exotischen Edelhölzern; Portugal spielt damit eine Schlüsselrolle als Lieferant für die europäischen Kunst- und Schatzkammern – den Vorläufern unserer heutigen Museen.
Im Mittelpunkt der Ausstellung steht die Sammlung von Katharina von Habsburg (1507–1578), die als Königin von Portugal eine der bedeutendsten Regentinnen ihrer Zeit war. Lassen Sie sich von ihren hauchdünnen Elfenbeinfächern oder von ihren kostbaren Truhen mit Elfenbeinschnitzereien, Gold und Edelsteinen verzaubern. Überraschend und geheimnisvoll sind die kleinen Details dieser Kunstwerke: die ceylonesischen Schnitzer verwendeten auch Vorlagen – wie beispielsweise Dürers Dudelsackpfeifer – aus europäischen Stichen!
Katharina von Habsburg importierte auch Tiere wie Papageien und Nashörner für ihre Menagerien – sozusagen die ersten zoologischen Gärten. Erfahren Sie mehr über den kleinen Elefanten Süleyman, den Katharina 1542 geschenkt bekam, und dessen dreijährige Reise von Ceylon nach Lissabon und Wien. Lauschen Sie festlicher Musik oder erleben Sie Schauspielerinnen in historischen Kostümen, die Geschichten vom Hof Katharinas erzählen.
Mit Unterstützung der Parrotia-Stiftung und des Instituto Camões, Portugal

Theater in der Ausstellung
«... aber das bleibt unter uns!» – Vertrauliches aus dem Hause Habsburg
Mit Rachel Braunschweig und Miriam Fiordeponti

Donnerstag, 12.15 Uhr, Sonntag 15 Uhr

Das ist die unverhoffte Begegnung mit Violante de Távora, ihres Zeichens erste Hofdame der Katharina von Österreich, Königin von Portugal. Sie gewährt Einblicke hinter die prachtvolle Kulisse der Habsburger Dynastie: Insiderwissen, pikante Details und die höchst inoffiziellen Ansichten einer Frau am Puls ihrer Zeit. «Wenn Sie mich verpfeifen, werde ich alles leugnen.» – Und dann war da noch das Wunder von Lissabon....

Der Theatertext « ... aber das bleibt unter uns!» ist eine Auftragsarbeit des Museums Rietberg und stammt von Michael Hasenfuss.

Mit bestem Dank an Roland Hüttner und Raschida Boulkhodra für ihre Unterstützung bei der Realisierung dieses Projekts.

Katalog

Elfenbeine aus Ceylon

Luxusgüter für Katharina von Habsburg (1507–1578)

Annemarie Jordan Gschwend und Johannes Beltz (Hrsg.)

ca. 210 Seiten, ca. 110 Farbabbildungen, 30,5 x 23 cm, mit einer Karte, Bibliografie, Klappbroschur, fadengeheftet

Subskriptionspreis bis 13. März 2011: ca. CHF 56, EUR 40; danach ca. CHF 75, EUR 54

Cheguei de mais uma sessão do "Rite Ecossais Ancien et Accepté de Suisse" (REAA)

Uma sociedade discreta e não secreta !
Convite/Informação
www.bardoalem.blogspot.com  Bar do Além, Alenquer Camping, Alenquer-Porto da Luz

Ultima tertúlia do ano de 2010, às 12h de 4 de Dezembro
Orador Luis Miguel Rocha
Tema Segredos e Misteriso do Vaticano
Moderador Luis Nandin de Carvalho
Notas sobre o autor que autografará as suas edições à venda na ocasião:

sábado, 20 de novembro de 2010

NA SEGUNDA-FEIRA É O “ZIBELEMÄRIT” A “FESTA DAS CEBOLAS” EM BERNA

Sempre na quarta Segunda-Feira de Novembro
Às 3 horas da manhã a cidade de Berna fica repleta de tendas e pessoas na Feira das Cebolas. (swissinfo)
A TRADICIONAL FESTA DA CEBOLA - “ZIBELEMÄRIT" - ATRAI MILHARES DE VISITANTES À CAPITAL SUÍÇA - ATÉ O MAIOR SINDICATO "UNIA" FAZ DESTE DIA UM FERIADO
CEBOLA PARA DAR E VENDER
Assim, a cidade de Berna vive segunda-feira próxima a sua maior Festa Anual, a mais típica da capital Suíça, a Feira das Cebolas, o “Zibelimärit”.
Toneladas e toneladas de tranças ou coroas de cebola, de objectos feitos de cebolas e muita alegria para rememorar, segundo uma lenda, um acontecimento trágico, há 6 séculos.

Como em todas as quartas Segundas-Feiras de Novembro, o centro da capital suíça fica irreconhecível: bancadas de feira alinhadas ofere-cendo quase exclusivamente cebolas, as ruas apinhadas de gente, os jovens em rebuliço, armados de martelos de plástico que batem na cabeça de todos os que passem por perto e guerras contínuas de “confetti” (Papelinhos), como nas festas populares do S. João no Porto.

E não adiante fazer cara feia, porque tudo é de brincadeira. Nem a polícia escapa...

UMA VELHA HISTÓRIA

Esta Feira, conhecida em dialecto alemão como Zibelimärit (ou Zwiebelmarkt, em “alemão escrito” – Zwiebel, para cebola e, Markt, para mercado) é uma atracção especial e única na Suíça. Porque é reservada praticamente a um só produto que revela a imaginação dos horticultores participantes e relembra um incêndio ocorrido em 1405 que destruiu dois terços da cidade.

UMA FESTA POPULAR

Berna fica realmente diferente durante a festa. Os bernenses, geralmente pacatos, saem de facto um pouco da rotina para esse dia especial. A feira instala-se por volta das duas da madrugada. Às 3 horas da manhã já tem muita gente a comprar cebolas.

Não tanto pelo consumo, mas principalmente como lembrança ou para ornamentação.

São tranças de cebolas, coroas de cebolas, bonecas de cebolas, tortas de cebolas, bolas de cebola... A imaginação dos horticultores é transbordante.

Com o passar das horas, o centro de Berna, fica apinhado de gente, tornando-se difícil até em andar. Mas felizmente o trânsito é banido do miolo da cidade. Os pedestres não se fazem de rogados e tomam conta das ruas.

A festa vai até por volta das 18 horas. A essas alturas Berna fica também irreconhecível por outro motivo: pela inusitada sujeira. Mas os garris das Câmara Municipal encarregam-se de “entregar” a cidade limpinha no dia seguinte.

A CALAMIDADE DE HÁ 6 SÉCULOS

Segundo uma lenda, a origem dessa festa que transtorna a capital suíça remonta ao início do século XV. Exactamente em 1405, um incêndio destruiu 500 casas da rua central de Berna – que na época, como já assinalamos, representavam dois terços da cidade. Foi a maior calamidade pública desde que Berna fora fundada, ou seja, pouco mais de dois séculos antes, em 1191.

Num elo de solidariedade, a cidade vizinha de Friburgo (a cerca de 35 km) ofereceu ajuda voluntária aos bernenses, dando a palavra de honra que restituiria aos donos os objectos de valor encontrados nos escombros do incêndio.

Como agradecimento, as autoridades de Berna abriram gratuitamente o mercado da cidade aos agricultores Friburguenses uma vez por ano, na quarta segunda-feira de Novembro.

Como os agricultores vendiam mais cebolas que outros produtos da terra, passou-se a chamar a “Feira das Cebolas” ou Zibelimärit.

VERDADEIRA ORIGEM DA FEIRA

A realidade é bem mais prosaica, derrubando um mito que remonta aos anos 40 do século passado. Existia em Berna a denominada Feira Martini, desde 1439, realizada na última semana de Novembro. Nela vendia-se de tudo, inclusive cebolas.

Mas a história de horticultores Friburguenses vendendo legumes – e cebolas – no centro de Berna, data dos anos 50 do século XIX. Na época, na quarta segunda-feira de Novembro, um pequeno grupo de horticultores Friburguenses da região de Vully punha à venda seus produtos no centro de Berna.

Como as cebolas se vendiam melhor, a quantidade do produto levado à Feira aumentava todos os anos. O número de horticultores também. Nos anos 60, esses horticultores foram realmente associados à Feira Martini. Sempre vendendo cada vez mais cebolas.
O JORNAL DE BERNA, “BERNER ZEITUNG”
que desmistifica a “Zibelimärit”, em artigo datado de 22.11.2004, com base no livro de Rudolf J.Ramseyer, de 1990 – assinala que em 1892 um trem da cidadezinha Friburguense de Morat/Murten (a cerca 20 km de Berna) transportou para capital suíça treze vagões de cebola, justamente para essa tradicional feira.

O jornal lembra também que depois da Primeira Guerra, com o surgimento de grandes lojas de departamentos, já não compensava vender artigos na Feira porque os compradores tinham sumido. Mas as cebolas continuavam a fazer sucesso. O resultado é que a Feira Martini desapareceu em 1922. A “Zibelimärit” continuou firme.

O SUCESSO PERDURA

O horticultor Friburguense de Praz-Vully, Michel Biolley, participa há cerca de 35 anos nesta Feira. Ele diz que há algumas décadas, vendiam-se diferentes produtos da lavoura. Mas com o tempo a feira passou a ser um mercado das cebolas. Constata, porém, que nos últimos 30 anos a tonelagem de cebola escoada reduziu-se à metade.

Com a concorrência, nota-se cada vez mais sofisticação na apresentação do produto, realça ainda. Ninguém vende mais cebola por quilo. A “roupagem” visa a atrair o cliente, até porque a ocasião é propícia e única.

O horticultor observa, entretanto, que o produto colocado à venda nas ruas de Berna recebe tratamento muito especial. Toda a colheita é feita manualmente, o produto deve ser secado na sombra para manter a cor e a consistência das hastes porque senão as cebolas quebram quando são trançadas.

Mas ninguém reclama porque a cebola é vendida quase 3 vezes acima do preço normal.

Por outro lado, o sucesso da feira parece garantido por muito tempo. Vem gente até do exterior para participar na festa. Já há 5 anos a Ferrovia Federal Suíça colocou à disposição 30 comboios especiais. 

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

AS MANIAS: Passados 114 anos, está tudo na mesma. Mais actual não podia estar-se !!!


"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas;

um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai;

um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não discriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo;

este criado de quarto do moderador;

e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar."   Guerra Junqueiro, 1896.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

"A Confidente de Sá Carneiro" - No dia 1 de Dezembro, um livro a não perder !

Acabei de comprar o livro que saíu de Conceição Monteiro sobre Sá Carneiro. Já li as primeiras páginas, lembrei-me logo da nossa tertúlia "Era uma vez o PPD...". Prefácio de Pedro Santana Lopes, e haverá apresentação do livro no próximo dia 1 de Dezembro. http://www.bertrand.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=277151
Conceição igual a si própria, desvenda algumas histórias do "seu Francisco". Um livro a não perder.
uma psicose de Diogo Agostinho em: http://psicolaranja.blogs.sapo.pt
Mensagens
António Dias da Costa, Berna
 Nunca esquecerei que foi Cavaco e Silva que lançou no seu Governo a RTPi, então livre e independente, para as Comunidades Portuguesas no Mundo com os jogos de Futebol, etc. - Obrigado! Estarei sempre com ele por ser um visionário que muito ainda pode dar a Portugal e aos portugueses na Diáspora. 16 de Novembro de 2010 em: http://cavacosilva.pt/?categoryId=453&itemId=105380
HÁ 5 ANOS EM PARIS LÁ ESTAVA TAMBÉM NO APOIO

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O MAGUSTO BEM À PORTUGUESA DO PESSOAL DA EMBAIXADA DE PORTUGAL EM BERNA

Os funcionários da Embaixada de Portugal em Berna festejaram hoje o Magusto com a participação do Embaixador, José Lameiras, onde não faltaram as castanhas portuguesas, a jerpiga, vinhos, rissóis, pastéis de bacalhau, doces, etc., tudo elaborado pelos próprios, à boa maneira portuguesa, música e fados da grafonola, pois estamos em tempo de crise, na "Saalihaus" em Bern-Wittigkofen. http://www.qv-wittigkofen.ch/quartier/index_saalistock.html

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

ACONTECE CHEGAR DE MAIS UM ENSAIO NO GRUPO CORAL DA L.z.H. - BERNA E ADOREI!

A Tertúlia do Bar do Além já faz parte da comunidade virtual do portal Myguide
e convidamos...
FESTA DE LANÇAMENTO MYGUIDE
A PRIMEIRA REDE SOCIAL PORTUGUESA DE VIAGENS, LAZER E CULTURA
MUII (ANTIGA KAPITAL) » 18 NOV. » 22.00H
Na noite de 18 de Novembro, a comunidade MyGuide.pt lança-se ao mundo com uma Mostra de Talentos nacionais. A festa de lançamento do http://www.myguide.pt/ será o espelho da interacção que se pretende para esta comunidade. Nos três pisos da discoteca MUII (antiga Kapital), entre as 22h e as 01h30, decorrerão live acts de música, performance, dança, artes plásticas, vídeo, DJs, assim como uma mostra de gastronomia.
Venha viver a comunidade MyGuide por uma noite. Solicite o seu convite em http://www.myguide.pt/
Atenção: O acesso à festa é exclusivo a membros registados no MyGuide. Se ainda não é membro faça já o seu registo. E procure o espaço virtual da Tertúlia do Bar do Além!  http://bardoalem.blogspot.com

ACONTECE
A propósito da visita do Presidente da China, ouvi agora, na Televisão, a notícia de que é a primeira vez, em onze anos, que isso acontece. Em Potugal, hoje em dia, é quase tudo assim: pouco rigoroso.
Em 10 de Novembro de 2004, recebi, no Porto, o Presidente da República Popular da China a quem ofereci um jantar. Antes tivemos uma reunião de trabalho acompanhados dos respectivos Ministros dos Negócios Estrangeiros e de outros governantes e de Diplomatas dos dois Países. Não foi uma visita oficial, mas o Presidente da China decidiu escolher Portugal para essa escala, antes de uma visita à América Latina. Outros Países Europeus quiseram ser escolhidos para essa oprtunidade, mas foi em território Português que isso aconteceu.
Não se pode, pois, dizer o que se diz na referida notícia. Quanto muito, que é a primeira visita oficial nesse período de tempo.
------------------------------------------------
Presidente da China encontra-se hoje com Santana Lopes
10.11.2004 - 12:15 Por PUBLICO.PT
O Presidente da China, Hu Jintao, encontra-se hoje com o primeiro-ministro, Santana Lopes, durante uma escala na cidade do Porto, a caminho da América do Sul.
O incremento das relações comerciais deverá ser um dos temas do encontro entre o Presidente chinês e o primeiro-ministro (Adrian Bradshaw/EPA)
O Presidente chinês será recebido às 19h45 por Santana Lopes, com quem janta, uma vez que o seu homólogo português, Jorge Sampaio, está ausente de Portugal, numa visita oficial a Itália.
Hu Jintao e Santana Lopes deverão analisar o incremento das relações económicas e das trocas comerciais entre os dois países, bem como a preparação da visita de Jorge Sampaio à China, em Janeiro de 2005.

sábado, 6 de novembro de 2010

Sugestões Jantar de Natal no Restaurante RIBALTA em Ribeira Alta - Algoz - Algarve

A minha amiga Elsa Ponte sempre sorridente no Ribalta

Sugestão Nº1:
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo fresco com doce de abóbora
Prato: Galinha c/ grão
Vinho: Vinho da pipa
Sobremesa: Torta de Alfarroba, pudim, farófias
Café - Preço: 15€ por pessoa
Sugestão Nº2:
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo fresco com doce de abóbora
Prato: Bacalhau no Forno
Javali Estufado
Vinho: Vinho da pipa
Sobremesa: Torta de Alfarroba, Dom Rodrigo, Queijo de Figo, Toucinho do Céu
Digestivo: Café, Licor Tradicional - Preço: 20€ por pessoa

Sugestão Nº3:
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo fresco com doce de abóbora, peixinhos
Panados.
Prato: Feijoada de Chocos
Ensopado de Veado
Vinho: Vinho Borba d.o.c
Sobremesa: Tarte de Alfarroba, morgado de amêndoa e gila, Gelado de Figo
Café: Café e Digestivo - Preço: 25€ por pessoa

Sugestão Nº4:
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo fresco com doce de abóbora, queijo
corado, picadinho da matança, peixinhos panados e chouriço assado.
Prato: Feijoada de buzinas;
Javali no forno com batatinhas assadas;
Vinho: chaminé
Sobremesa: Prato tradicional de doces (tem todas as qualidades de doces)
Café: Café e Digestivo - Preço: 30€ por pessoa

Sugestão Nº5:
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, queijo fresco com doce de abóbora, queijo
Corado, picadinho da matança, Camarão.
Prato: Feijoada de buzinas;
Javali no forno com batatinhas assadas;
Vinho: Vinho da pipa
Sobremesa: Prato tradicional de doces (tem todas as qualidades de doces)
Café: Café e Digestivo - Preço: 30€ por pessoa

Sugestão Nº6: Jantar e Prenda de Natal
Entradas: Pão, Manteiga, azeitonas, Queijo c/ doce Abóbora.
Pratos: Bacalhau no Forno
Galinha Cerejada
Bebidas: Vinho Borba D.O.C
Sobremesa: Torta de Alfarroba, Toucinho-do-céu, Bolo de Natal.
Cabaz de Natal Tradicional (por pessoa)
Doce de Abóbora, Mel, Chá
Digestivo: Café, Licor Tradicional - Preço: 30€ por Pessoa incluído o Cabaz de Natal

Sugestão Nº7: Jantar e Cabaz de Natal
Entradas: Pão, manteiga, azeitonas, Queijo Fresco c/ Doce de abóbora.
Pratos: Bacalhau no Forno
Ensopado de Javali
Bebidas: Vinho Borba D.O.C
Sobremesa: Torta de Alfarroba, Dom Rodrigo, Queijo de Figo
Bolo de Natal
Digestivo: Café, Licor Tradicional
Cabaz de Tradicional de Natal (por pessoa)
Doce de Abóbora, Chá, Mel, Garrafa de Licor…
Preço: 45€ por pessoa incluindo o Cabaz de Natal
Nota: Os Pratos Podem Ser Alterados a gosto do Cliente…
Os Preços por Pessoa mantêm-se caso não seja ultrapassado o consumo…
FAZEMOS CABAZES DE NATAL COM PRODUTOS TRADICIONAIS DE TODOS OS TAMANHOS, FORMAS, CORES E PREÇOS ….
FAÇA A SUA ENCOMENDA! (00351) 916 123 835 / 282 575 714

Migrantes podem "exercitar" democracia direta na Suíça - PARTICIPA !

Serdült em Aarau explica como funciona o sistema Baloti. (swissinfo)
Por Robert Brookes, swissinfo.ch
Estrangeiros na Suíça, grupo que corresponde a um quinto da população, podem agora dar sua opinião em votações e plebiscitos nacionais através da internet. Porém o voto continua não sendo válido.
O plebiscito de 28 de novembro é de especial interesse. Uma das questões levantadas ao eleitor é aceitação ou não de uma proposta de lei, que prevê a deportação de estrangeiros condenados por crimes graves.
A mais recente possibilidade para os cidadãos que não possuem o passaporte vermelho com a cruz branca chama-se "Baloti". Trata-se de um projeto que oferece uma plataforma multilíngua, onde imigrantes podem se fazer escutar.
"A ideia básica é não apenas permitir aos estrangeiros que vivem na Suíça a dar sua opinião em questões políticas, mas também de explicar o sistema de democracia direta", declara Uwe Serdült, pesquisador do Centro de Estudos de Democracia em Aarau (leste).
Serdült acredita que existe um valor simbólico na idéia: "Estamos dando a eles a oportunidade de se exprimir. São pessoas que trabalham e pagam seus impostos. Então permitimos que falem e, ao mesmo tempo, aprendam um pouco sobre como o país funciona."
Outra razão para o projeto, apoiado financeiramente pelas autoridades federais, é o fato de que muitos desses imigrantes irão, um dia, se naturalizar e, portanto, ter direito ao voto.
Sistema sofisticado
O software utilizado no projeto chama-se "Selectio Helvetica light". Ele foi desenvolvido e funciona no site do grupo "E-Voting" (voto eletrônico) do Centro de Ciências Aplicadas da Universidade de Berna, em cooperação com a Universidade de Friburgo e o Centro de Competência do Voto Eletrônico.
O assistente de pesquisas na área de e-voting, Oliver Spycher, explicou à swissinfo.ch que o sistema é extremamente sofisticado.
"Cada eleitor recebe por e-mail um código de voto. Esses códigos são pré-registrados no nosso servidor. Quando a pessoa quer se registrar como eleitor no Baloti, ele fornece seu endereço e-mail e o servidor Baloti aceita, caso o sistema considere que seja um eleitor válido", explica e completa, "O endereço e-mail chega ao nosso servidor se a assinatura é válida. Então enviamos ao eleitor seu código de voto, o que permite a ele exercer seu direito de voto."
O software é também complicado, pois requer certas medidas operacionais para garantir o sigilo do voto. Pode-se dizer que ele é comparável aos sistemas de e-voting já em funcionamento no mundo real como os da Estônia, Noruega e cantão de Genebra.
Baloti funciona em onze idiomas e fornece informações imparciais sobre as questões em debate. Ele é apoiado pela organização Vimentis, que também produz material de fundo sem preconceitos sobre temas políticos helvéticos.
Sensibilidade
O sistema tem, porém, também algumas armadilhas quando se trata de idiomas. "Pense na antiga Iugoslávia com conflitos entre sérvios e croatas e todos os diferentes grupos vivendo neste país", analisa Serdült. "Temos de nos assegurar que nenhuma linguagem seja utilizada no conteúdo do site capaz de ofender alguém."
O primeiro teste com Baloti ocorreu em setembro durante o plebiscito sobre a reforma do sistema de ajuda-desemprego. Enquanto essa a proposta foi aceita por 53% do eleitorado suíço, 59.6% dos eleitores no Baloti a refutaram. Porém havia apenas 270 votos válidos no sistema.
"Foram aproximadamente três mil visitantes no site, mas apenas dez por cento votaram ao final. É preciso conquistar mais confiança no sistema. Ele ainda não é conhecido e, portanto, precisamos ainda percorrer um longo caminho até ter números maiores de participação", admite Serdült.
Com esse objetivo em mente, os responsáveis pelo Baloti se esforçam em fazer contatos mais intensos e numerosos com organizações de imigrantes em todos os cantões da Suíça. Serdült espera atrair mais eleitores potenciais, sobretudo para o próximo plebiscito federal em 28 de novembro.
Voto homogêneo
"Nossa principal hipótese é que os imigrantes na Suíça não se diferem muito politicamente dos outros cidadãos suíços", diz. "Podemos estar errados, mas penso que ao alcançarmos números maiores no site, poderemos provar que temos tantos esquerdistas, conservadores ou direitistas entre estrangeiros como na população helvética. Isso será interessante de observar no futuro."
Serdült descreve o critério para o sucesso do empreendimento como "muito cruel".
"Necessitamos de votos no sistema e visitantes no site. Se ao final do projeto-piloto, previsto para terminar ao final de 2011, só conseguirmos somar algumas centenas de usuários, então simplesmente não há interesse em manter o site. A Comissão Federal para Questões Migratórias espera ter alguns milhares de eleitores. Esse também é o nosso objetivo interno.", admite. Robert Brookes, swissinfo.ch


sexta-feira, 5 de novembro de 2010

O longo caminho para o voto eletrónico na Suíça

Em breve uma realidade em todo o país: o voto via internet. (Keystone)
Por Sonia Fenazzi, swissinfo.ch
Em 28 de novembro ocorre mais um plebiscito na Suíça. Nesse dia, 12 cantões (estados) do país estarão aplicando o voto eletrônico. A novidade é que o sistema estará sendo oferecido nos quatro idiomas nacionais nos Grisões.
Nesse cantão ao sul da Suíça, o suíço do estrangeiro poderá dar seu voto em italiano e também em reto-romano.
A chamada "Quinta Suíça", a comunidade de suíços do estrangeiro, exige há muito a possibilidade do voto eletrônico. Sua introdução é lenta, mas concreta. Porem ainda falta muito para que todo o eleitor em situação regular utilize as vantagens do "E-Voting".
A situação começa a melhorar a partir dos plebiscitos de 28 de novembro: cinco novos cantões irão fazer testes com o voto eletrônico: Lucerna, Argóvia, Turgóvia, Grisões e Schaffhausen. No total, doze cantões estarão aplicando essa tecnologia e permitindo que 190 mil eleitores - 4,1% do total - participe da votação eletronicamente.
Multilíngue
Enquanto cinco cantões participam pela primeira vez, outros repetem sua experiência de possibilitar o voto eletrônico aos suíços do estrangeiro: Friburgo, Solothurn, Basel-cidade e St. Gallen. A esse grupo são incluídos os chamados "cantões-pilotos": Zurique, Neuchâtel e Genebra.
Graças à decisão do governo, o voto eletrônico será aplicado também às duas minorias linguísticas no cantão de língua germânica, os Grisões - o italiano e o reto-romano. Nas comunas de Poschiavo, Disentis/Muster ou Donat/Ems poderão participar 744 suíços do estrangeiro registrados nelas.
O governo cantonal esforçar-se para permitir ate 2011 que todos seus 2.700 cidadãos (no exterior o suíço registra-se também no cantão de origem) possam votar através da internet. Posteriormente todos os eleitores do cantão deverão ser incluídos no sistema. Porem as autoridades querem avaliar os resultados da participação eleitoral no plebiscito de 28 de novembro.
Processo demorado
Apesar da Associação dos Suíços do Estrangeiro (ASO, na sigla em alemão) reivindicar há muito tempo à aceleração do processo de introdução do voto eletrônico para os membros da sua comunidade, os avanços têm sido lentos. A estrutura federal da Suíça com seus três níveis de decisão - federal, cantonal e municipal - complicam ainda mais a situação.
Mas todos os cantões conseguiram atender as exigências do governo federal de adaptar suas leis até a metade de 2009 para permitir uma uniformização do registro dos eleitores. "Agora estamos trabalhando nos detalhes da sua execução", explica Ardita Driza-Maurer, da Chancelaria Federal.
A uniformização do registro de eleitores, que normalmente é de responsabilidade das comunas (municípios), é uma exigência para que os suíços do estrangeiro originários delas possam votar eletronicamente.
Outro fator que freia o processo é a questão da segurança do voto através da internet. Os responsáveis do projeto "não poupam esforços" para garantir a total confiança na tecnologia, como ressalta Claude Gerbex, porta-voz da Chancelaria Federal.
Segundo Gerbex, cada passo no desenvolvimento do sistema é acompanhado para impedir qualquer forma de manipulação ou ataque por "hackers". Ele reconhece que "não existem garantias absolutas" de que tudo funcione corretamente, "mas também no voto por correio não há cem por cento de segurança".
Resistência de alguns estados
O voto eletrônico não é aceito por todos. O porta-voz da Chancelaria Federal confessa que ainda existe uma resistência emocional e aos aspectos técnicos dessa nova forma de participar do processo democrático.
Uma oposição concreta vem por parte do cantão de Vaud (oeste da Suíça), onde o membro do Parlamento cantonal e representante do Partido Social-Democrata, Jean Christoph Schwaab, apresentou em janeiro uma moção com o título "Voto eletrônico é um perigo para a democracia: pare com o desperdício de dinheiro!".
Segundo Schwaab e outros parlamentares que assinaram o documento, o voto eletrônico apresenta uma série de graves falhas e riscos. Uma delas, em sua opinião, é a impossibilidade de verificar o voto do cidadão sem conhecimentos de informática, o que eleva o risco de fraude eleitoral. Além disso, o processo de votação é "banalizado" e não há garantias de ter um resultado final. Ele considera também que o voto eletrônico aumenta os custos para o contribuinte. Na moção, o parlamentar exige a proibição do sistema.
No seu blog, Schwaab considera que é necessário facilitar o exercício do voto através do suíço do estrangeiro, porém ressaltando que a solução através da internet é "falsa". Em sua opinião, a ASO deveria refletir alternativas ao sistema para encontrar uma forma que não atente contra a segurança do voto e a confiança do eleitor no processo eleitoral.
Segundo o secretariado do Parlamento do cantão de Vaud, a moção ainda não foi discutida, mas deve ocorrer entre 9 e 16 de novembro. Sonia Fenazzi, swissinfo.ch